Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Arnold Schwarzenegger vem ao Rio para divulgar novo 'O Exterminador do Futuro'

Ator participou de entrevista coletiva na zona sul da cidade

Danielle Villela, O Estado de S. Paulo

01 de junho de 2015 | 15h44

(Atualizada às 20h07)

RIO - Como tantas vezes prometido na eternizada frase “I’ll be back”, Arnold Schwarzenegger está de volta ao personagem do cyborg T-800 em O Exterminador do Futuro – Gênesis (Terminator Genesis), que estreia no circuito nacional em 2 de julho. “É uma grande honra voltar a fazer esse papel. Há algumas franquias pelas quais as pessoas se apaixonam. O Exterminador do Futuro é uma delas”, disse o ator, ontem, em entrevista no Hotel Copacabana Palace, na zona sul do Rio.

Assim como no primeiro O Exterminador do Futuro (1984), neste novo filme, John Connor (Jason Clarke, de Planeta dos Macacos – O Confronto) é o líder da resistência humana em 2029, em um mundo dominado por máquinas depois que o supercomputador Skynet, criado para a rede de defesa americana, sai de controle e sinaliza que a humanidade é uma ameaça. Para evitar a ascensão de Connor, o Skynet envia um Exterminador (Schwarzenegger) de volta ao passado para matar Sarah Connor (Emilia Clarke, de Game of Thrones), mãe de John, antes mesmo que ela o conceba.

A primeira grande surpresa, tanto para os antigos fãs, quanto para os recém-iniciados, ocorre na clássica cena da chegada do Exterminador a Los Angeles, em 1984. Alguns elementos se repetem, como uma reverência ao universo criado pelo diretor James Cameron há 31 anos. Agora, o Exterminador se depara com uma outra versão do T-800, o Guardião (também Schwarzenegger), em uma cena de combate dele contra ele mesmo – além dos efeitos de pós-produção, uma réplica de silicone de um Schwarzenegger supermusculoso da época da sequência original foi usada nas filmagens. 

“Nada mudou por causa da idade. A máquina é a mesma, não envelhece. É como andar de bicicleta, não é como se tivesse de aprender tudo de novo.” Com 67 anos, o ator conta, no entanto, que agora é preciso ter mais sabedoria nas gravações para evitar se machucar. “Estou velho, não obsoleto”, diz o personagem Guardião no filme. 

Na nova trama dos roteiristas Laeta Kalogridis (Avatar) e Patrick Lussier (Pânico), o sargento Kyle Reese (Jai Courtney) se depara com um cenário bem diferente do que esperava encontrar quando foi enviado por John Connor, do futuro para 1984, para proteger sua mãe do Exterminador. Em vez da desamparada Sarah Connor do primeiro filme, a heroína foi criada desde os 9 anos pelo Guardião, um T-800 programado não para exterminá-la, mas para eliminar qualquer ameaça contra ela. Desta vez, é Sarah quem diz a famosa frase “Venha comigo, se quiser viver”.

Kalogridis e Lussier chegaram a recusar o projeto por três vezes, mas acabaram por aceitar depois de receber a aprovação de Cameron, diretor e escritor dos dois primeiros filmes da franquia. “É uma história completamente nova. O roteiro foi bem pensado e escrito para conciliar duas linhas de tempo distintas”, comentou Arnold Schwarzenegger.

As viagens entre passado e futuro e as consequentes redefinições dos acontecimentos são o cerne do novo Exterminador do Futuro, da Paramount Pictures e da Skydance Productions. O filme apresenta três períodos distintos de tempo: começa em 2029, com o último ataque dos humanos remanescentes contra as máquinas, volta para 1984, quando há o encontro entre Reese e Sarah Connor, e segue até 2017, quando os personagens tentam impedir o Dia do Julgamento Final. 

O produtor David Elisson defende que o público não precisa ter familiaridade com os filmes anteriores, pois o novo não seria nem remontagem nem sequência. Mas as referências têm um sabor extra para aqueles que já conhecem a trama – a repetição de cenários e frases ditas pelos personagens são exemplos do que Kalogridis chama de “flashbacks”. 

Para Schwarzenegger, a trama continua muito atual. “Em 1984, as pessoas achavam aquilo uma completa ficção científica, mas hoje as máquinas têm um poder enorme. Não consigo ganhar um jogo de xadrez contra o meu iPad. Estamos próximos daquela realidade”, afirmou na coletiva. No domingo, um trecho de 30 minutos do filme, ainda em fase de finalização, foi exibido a jornalistas de toda a América Latina em cinema na zona sul do Rio.

Além dos efeitos especiais e das questões tecnológicas, O Exterminador do Futuro não deixa de lado as relações afetivas entre os humanos e, por que não, entre máquinas e humanos. “O lado emocional da relação entre o Guardião e Sarah foi uma grande surpresa. É muito poderosa”, afirmou o ator. O veterano elogiou a escolha de Emilia Clarke, a Daenerys Targaryen de Game of Thrones para o papel de Sarah. “Linda Hamilton fez um trabalho extraordinário, mas é impressionante a dedicação de Emilia para dar vida a essa personagem durona.”

No Brasil para conciliar o lançamento do filme e a convenção fitness Arnold Classic, Schwarzenegger já se prepara para mais duas sequências: Conan, o Bárbaro e Irmãos Gêmeos, com Danny DeVito. “Estou muito satisfeito, há ótimos projetos surgindo.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.