FAYEZ NURELDINE/AFP
FAYEZ NURELDINE/AFP

Arábia Saudita acaba com proibição de mais de 35 anos contra cinemas

A medida é parte de um ambicioso plano de reformas do príncipe herdeiro Mohamed bin Salman

AFP

11 Dezembro 2017 | 10h48

A Arábia Saudita decidiu autorizar os cinemas a partir do início de 2018, após mais de 35 anos de proibição, anunciou nesta segunda-feira, 11, o Ministério saudita de Cultura e Informação.

"Serão autorizados os cinemas comerciais a partir do início de 2018, pela primeira vez em mais de 35 anos", afirmou o ministério, que começará a conceder licenças imediatamente. A medida é parte de um ambicioso plano de reformas do príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, que busca promover espetáculos e eventos de entretenimento, apesar da oposição dos círculos conservadores.

Em janeiro, o mufti da Arábia Saudita expressou indignação contra a possível abertura de cinemas, que chamou de fonte de "depravação". Apesar da proibição das salas de exibição, o cinema saudita começa a receber reconhecimento internacional.

A comédia romântica Barakah Meets Barakah, de Mahmoud Sabbagh, foi exibida no Festival de Berlim e O sonho de Wadjda, da diretora Haifaa Al Mansour, foi selecionado para representar o país em 2013 na tentativa de uma indicação ao Oscar de filme de língua estrangeira. Entre outras reformas, Riad anunciou em setembro a autorização para que as mulheres possam dirigir a partir de junho de 2018.

Mais conteúdo sobre:
Arábia Saudita [Ásia] Riad cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.