Victor Jucá/Divulgação
Victor Jucá/Divulgação

'Aquarius' e 'Boi Neon' nas listas dos melhores do 'New York Times'

É a primeira vez que dois filmes brasileiros aparecem no mesmo ano na seleção do jornal americano

Amilton Pinheiro, O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2016 | 20h31

Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, e Boi Neon, de Gabriel Mascaro, aparecem na lista do New York Times dos 10 melhores filmes de 2016, feita pelo crítico Stephen Holden, que elegeu Boi Neon, em 6.° lugar e Aquarius, em 7.°. Além de Holden, outro crítico do jornal, A. O. Scott, colocou Aquarius em 7.° lugar. Já Manohla Dargis não incluiu nenhum dos dois filmes em sua seleção.

Em sua página no Facebook, o diretor Kleber Mendonça Filho comemorou o fato inédito de dois brasileiros constarem entre os melhores do New York Times. “Muito simbólico que é a Cultura quem continua representando o Brasil no mundo, e bem. Lembro que, em 2012, O Som ao Redor foi listado como Melhores do Ano, e agora vejo dois brasileiros/pernambucanos em 2016. É muito significativo”, postou.

O filme de Kleber Mendonça Filho estreou em outubro em Nova York e foi bem-recebido pela crítica americana. A. O. Scott escreveu que “Aquarius é um retrato maravilhoso e surpreendente de um longo e desapressado encontro com uma pessoa única e complicada”. E acrescentou: “E isso é bom o suficiente para fazer um filme cativante, uma experiência que vale a pena”.

Para os críticos A. O. Scott e Stephen Holden, o melhor filme de 2016 foi Moonlight, de Barry Jenkins, sobre a entrada do crack em Miami nos anos 1980. Em segundo melhor, para ambos, ficou O. J.: Made in America, de Ezra Edelman, documentáio sobre a ascensão e queda de O. J. Simpson, atleta do futebol americano acusado de matar a ex-mulher em 1994 (depois seria inocentado). 

Já Manohla Dargis preferiu o documentário No Home Movie, da cineasta belga Chantal Akerman, que morreu no ano passado, seguido de Toni Erdmann, de Maren Ade, o candidato da Alemanha a uma vaga de filme estrangeiro do Oscar de 2017.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.