Arquivo Pessoall/Os Melhores do Mundo
Arquivo Pessoall/Os Melhores do Mundo

Após sucesso no teatro, 'Hermanoteu na Terra de Godah' chega às telas de maneira hollywoodiana

Atores da Cia. de Comédia Os Melhores do Mundo conversaram sobre os desafios da adaptação de um roteiro de teatro para o cinema

Patrick Freitas, Especial para o Estadão

12 de fevereiro de 2022 | 10h00

Após muita espera pelos fãs ー e pelos atores, finalmente Hermanoteu na Terra de Godah - o filme fará sua estreia pelo Telecine Premium, às 22h deste sábado, 12 de fevereiro. Em entrevista coletiva, Adriana Nunes, Adriano Siri, Jovane Nunes, Ricardo Pipo, Victor Leal, Welder Rodrigues e o produtor do filme, Augusto Casé, comentaram sobre os desafios de levar uma peça ao cinema. 

“Há quem pense que adaptar é mais fácil do que criar uma história do zero, mas não é, porque são coisas totalmente diferentes. O teatro é interpessoal, por isso tem muito diálogo. Já no cinema, você vê tudo”, afirmou Jovane Nunes, que além de atuar, participou da roteirização. 

“Tem performance, texto, ambiente. O Hermanoteu é um personagem muito passivo na peça, as pessoas chegam e conversam com ele. Para o filme, a gente precisou criar uma jornada do herói.” Jovane também garantiu que o filme é acessível para todos. “Temos que fazer um filme para quem nunca ouviu falar de Hermanoteu. Quem nunca ouviu falar vai entender tudo. Está cheio de spin-off e de fan service”, afirmou.

A peça está em cartaz praticamente todos os finais de semana há 27 anos - tirando os dois anos de peças reduzidas pela pandemia, e já foi vista por milhões de pessoas. ‘Mas eu estou mais curioso para ver a reação das pessoas que ainda não conhecem a história de Hermanoteu na Terra de Godah. Colocar um filme na praça no Brasil atual é um ato de heroísmo”, comentou Welder Rodrigues

Com pompa hollywoodiana, teve investimentos em efeitos especiais - o anjo não utiliza as asas do teatro, por exemplo. Além disso, os cenários ganharam atenção mais que especial, com filmagens realizadas no Deserto do Atacama, no Chile. Mas uma chuva torrencial, que não ocorria na região há mais de dez anos, quase impediu o elenco de gravar

“Tivemos esse susto com a chuva, mas que trouxe um impacto visual para o filme maravilhoso. E estar com a equipe reduzida nos remeteu aos nossos tempos de início no teatro. Nós estivemos muito presentes, colocamos a mão na massa. Tornou essa etapa ainda mais simbólica”, afirmou Adriano Siri.

Apesar das expectativas altas, os atores sentiram a sensação de dever cumprido com o filme. “Esse é um filme de comemoração! Estamos vencendo a pandemia com a arte. O humor é transformador e, nesses tempos, as pessoas estão precisando rir para passar pelas coisas”, finalizou Adriana Nunes. Confira o trailer:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.