AFP
AFP

Após protestos, Polanski desiste de presidir prêmio César

Cineasta franco-polonês é acusado nos Estados Unidos do suposto estupro de uma menor de 13 anos em 1977

AFP

24 Janeiro 2017 | 09h16

O cineasta franco-polonês Roman Polanski desistiu de presidir em fevereiro a cerimônia do César, o "Oscar francês", depois que associações feministas convocaram um boicote devido ao tema do suposto estupro de uma menor há quatro décadas, informou nesta terça-feira seu advogado. Estas associações recolheram em menos de uma semana mais de 61 mil assinaturas para pedir a destituição do cineasta como presidente do César.

Polanski é acusado nos Estados Unidos do suposto estupro de uma menor de 13 anos em 1977. Essa polêmica "injustificada" entristeceu "profundamente Roman Polanski e afetou sua família", e o diretor "decidiu não aceitar o convite" dos organizadores da cerimônia, marcada para 24 de fevereiro em Paris, informou em um comunicado seu advogado, Hervé Temime. A controvérsia é "alimentada por informações errôneas", defendeu o advogado:

"Vamos lembrar que Samantha Geimer (a menor) apoia há muito tempo as iniciativas judiciais de Roman Polanski para regularizar sua situação nos Estados Unidos, e pediu o abandono definitivo das acusações."

O comunicado também lembra que a justiça da Polônia e da Suíça rejeitaram os pedidos de extradição dos Estados Unidos, ao estabelecer que Polanski "havia cumprido a pena, que havia sido alvo de um acordo entre todas as partes na época".

A ministra francesa de Direitos das Mulheres, Laurence Rossignol, também havia condenado a eleição de Polanski como presidente do César. A titular da Cultura, Andrey Azoulay, se absteve de criticar a designação do diretor de O Pianista e Tess - Uma Lição de Vida.


 

Mais conteúdo sobre:
Justiça Cesar Baldaccini Problema Social

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.