Chris Pizzello/AP
Chris Pizzello/AP

Após denúncia, mais de 200 mulheres acusam James Toback de assédio sexual

Entre os depoimentos está o da atriz Julianne Moore e o testemunho da apresentadora de televisão Natalie Morales

Agência EFE, O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2017 | 17h59

Mais de 200 mulheres se somaram às 38 que denunciaram o cineasta norte-americano James Toback por assédio sexual no jornal Los Angeles Times de assédio sexual supostamente cometido pelo cineasta norte-americano James Toback na década de 1980, informou o periódico angelino.

Toback, de 72 anos, supostamente assediu mulheres que buscavam trabalho ou que ele havia abordado na rua, de acordo com a informação do diário, que conta com depoimentos de 38 mulheres, a maioria com nome e sobrenome.

Toback se aproximava das mulheres com o pretexto de ser uma porta de entrada a Hollywood e em encontros posterioires, que aconteciam em lugares fechados como um quarto de hotel ou até mesmo em um parque, se masturbava na frente delas ou se roçava contra elas.

Desde a publicação da reportagem, mais de 200 mulheres entraram em contato com o jornal, através de emails ou ligações telefonicas, relatatando casos similares com o cineasta

Entre os depoimentos está o da atriz Julianne Moore, que usou o Twitter para confirmar que Toback empregou a mesma tática para para se aproveitar dela.

"Ele se aproximou de mim na Av Columbus com o mesmo tipo de linguagem, queria fazer uma audição e me pediu a ir ao seu apartamento. Eu me neguei. Um mês depois o fez de novo da mesma forma e eu o lembrei que ele já havia feito isso antes", escreveu a vencedora do Oscar.

Também chamou a atenção do testemunho da apresentadora de televisão Natalie Morales, que confirmou, através de sua conta no Twitter, haver sofrido uma situação semelhante com Tolback em Nova York, perto do Central Park.

"Para ser honesta, pensei simplesmente que era um asqueroso tratando de ligar comigo com o recurso mais velho que existe", disse ao jornal, detalhando sua experiência no programa "Acess Hollywood".

"Tive sorte. Vi rápido o que ele pretendia", completou.

Perguntado pelo jornal, Toback negou haver conhecido as mulheres que o acusam ou conhecê-las por apenas 'cinco minutos', por não ter nenhuma lembrança.

Assim mesmo, defendeu que seria 'biologicamente impossível' praticar os comportamentos nos quais é acusado devido a uma diabetes e uma condição coronária que sofre desde os 22 anos.

Sobre as novas acusações, Toback preferiu o silencio. O Departamento de Polícia de Los Angeles também recebeu muitas ligações relacionadas a Toback nos últimos dias, confirmou a oficial Danetta Menifee.

O agente de Toback, Jeff Berg, deixou de representar seu cliente no último fim de semana, segundo um portavoz da Northside.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.