Após 14 semanas, termina greve dos roteiristas de Hollywood

Os roteiristas de cinema e TV dosEstados Unidos decidiram em assembléia na noite de terça-feirasuspender a greve iniciada há 100 dias, encerrando assim o piorconflito trabalhista dos últimos 20 anos em Hollywood. O resultado, embora já esperado, foi recebido com alíviopelo setor do entretenimento, especialmente nos estúdios de TV,onde milhares de funcionários da produção estavam paradosdevido à falta de "matéria-prima". Os membros do sindicato dos roteiristas (WGA, na sigla eminglês) ainda vão submeter a votação um contrato coletivo comduração de três anos, que prevê novos pagamentos pelo trabalhotransmitido pela Internet e dobra a participação no faturamentopor filmes e programas baixados na rede. Além disso, amplia ocontrato coletivo para cobrir também conteúdo feitoexclusivamente para a Web. O fim da greve foi aprovado por 92,5 por cento dosroteiristas que participaram das assembléias em Los Angeles eNova York. No domingo, os sindicalistas haviam manifestadoapoio ao acordo com os estúdios. Após a votação, os dirigentes imediatamente mandaram umemail a cerca de 10,5 mil roteiristas instruindo-os a voltar aotrabalho na quarta-feira. A greve havia começado em 5 denovembro. "A greve acabou", anunciou em entrevista coletiva opresidente da WGA-Oeste, Patric Verrone, no auditório dosindicato em Beverly Hills. "Nossos membros votaram, e osroteiristas podem voltar a trabalhar." Ao todo, 3.775 roteiristas sindicalizados participaram davotação de terça-feira, quórum inferior aos 5.500 que aprovarama convocação da greve, em outubro. O pagamento pelos novos meios de difusão era a principalreivindicação dos profissionais aos oito grandes produtores decinema e TV. Mas ainda há outros conflitos à vista emHollywood. O sindicato dos atores, que representa cerca de 120mil atores de cinema e TV, renova seu contrato coletivo emjunho e já anunciou que adotará uma postura agressiva à mesa denegociações. Por causa da greve, os roteiristas terão apenas 11 diaspara produzir o espetáculo do Oscar, marcado para 24 defevereiro -- uma tarefa que normalmente leva várias semanas. (Com reportagem de Dean Goodman)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.