Victor POLLAK / O Globo TV / AFP
Victor POLLAK / O Globo TV / AFP

Aplausos e gritos de protesto: da janela, Rio e Niterói homenageiam Paulo Gustavo e atacam Bolsonaro

Em Niterói, onde mora a mãe do ator, os aplausos duraram cerca de um minuto, tempo estipulado pela prefeitura

Fernanda Nunes/RIO, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2021 | 22h09

Moradores de bairros do Rio e de Niterói, cidade  natal do  humorista e ator Paulo Gustavo, morto por covid-19, foram às janelas às 20h desta quarta, 5, para aplaudi-lo.  A homenagem se estendeu a todas as vítimas da pandemia e, em alguns locais, se confundiu com protestos contra o presidente  Jair Bolsonaro. Os aplausos foram entremeados por gritos de "Fora Bolsonaro!",  ''genocida'' e ''assassino''. O artista morreu na terça, 4, após período de internação iniciado em 13 de março, no Hospital Copa Star, em Copacabana, na zona sul carioca.

A manifestação, semelhante a uma plateia ovacionando um artista ao fim de um espetáculo, foi convocada pelas redes sociais. Em Niterói, o convite partiu da prefeitura.  "O Brasil aplaude Paulo Gustavo e todos os brasileiros que se foram pela covid. Vá para a janela e demonstre sua solidariedade e indignação!", diz um dos cartazes distribuídos nas redes sociais. 

Paulo Gustavo será nome de rua na cidade natal

Em Niterói, onde mora a mãe do ator, Déa Lúcia Vieira Amaral, os aplausos começaram pontualmente às 20h. Duraram cerca de um minuto, tempo estipulado pela prefeitura. "Niterói aplaude Paulo Gustavo e todos os niteroienses que se foram pela covid-19", diz o comunicado do prefeito Axel Grael (PDT), que decretou três dias de luto. Grael abriu consulta pública para dar o nome de Ator Paulo Gustavo a uma das ruas principais do bairro onde o humorista viveu a maior parte de sua, no bairro de Icaraí, zona sul da cidade. No Rio, houve homenagens e protestos em Copacabana, Grajaú, Leme, Botafogo, Bairro Peixoto e outros bairros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.