Divulgação
Divulgação

Antes desprezado, irmão de Ben Affleck, Casey Affleck, pode arrebatar estatueta de melhor ator

Ele foi indicado ao prêmio por sua atuação em 'Manchester À Beira Mar'

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2017 | 12h37

Com o papel de Lee Chandler em Manchester à Beira-Mar, Casey Affleck pode viver uma reviravolta em sua carreira. E muita gente que o via como o irmão menos talentoso de Ben Affleck talvez seja convidado a revisar conceitos.

Com uma carreira já um tanto longa, iniciada em 1988 (com Lemon Sky), Casey já participou de filmes de sucesso como Gênio Indomável, Onze Homens e um Segredo, Um Beijo a Mais, etc. Mas seu trabalho mais significativo, antes de Manchester, talvez tenha sido em O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford. Nesse faroeste crepuscular, que chegou a concorrer no Festival de Veneza, Casey está muito bem na pele de Ford, homem que matou à traição um dos mitos do Oeste americano.

Mas, engraçado, esse trabalho de relevo não foi suficiente para lhe valer um reconhecimento definitivo como intérprete. Talvez o momento tenha chegado agora, e poderá ser validado de vez com um Oscar.

Enquanto isso, Ben, o irmão mais velho vem colecionando prêmios como ator e diretor. Foi premiado com o Globo de Ouro por Argo. Ganhou como ator em Veneza com Hollywoodland. Está nos créditos em filmes de prestígio como Shakespeare Apaixonado, Pearl Harbour, e blockbusters como Batman x Superman e Esquadrão Suicida. Vale lembrar que Argo venceu o Oscar de melhor filme, embora Casey não tenha sido eleito melhor diretor.

A hora parece ser do mano caçula. Há muito chão ainda para a consagração, mas um reconhecimento importante Casey já obteve. A maioria dos críticos concorda que, em Manchester à Beira Mar, sua interpretação cool do homem que carrega uma tragédia pessoal é das melhores coisas que Hollywood apresentou nos últimos tempos.

Ao trabalhar de maneira contida, Casey simplesmente mostra que, muitas vezes, o menos é mais. Em especial em arte e, sobretudo, quando estamos tratando de temas sombrios e paixões delicadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.