Anne-Marie dirige Godard em "Após a Reconciliação"

Talvez, para entender direito Após a Reconciliação, o espectador tenha de referir-se a Hard and Soft, um filme de Jean-Luc Godard em parceria com Anne-Marie Miéville. Ou talvez a outro filme de Godard, Nous Tous Qui encore Sommes Ici. Ambos veiculam preocupações quesão retomadas agora pela mulher de Godard, no filme interpretadopor seu marido famoso.A mulher de Godard: que ninguém faça a Anne-Marie oinsulto de defini-la assim, ainda mais amanhã, no dia em quese comemora o Dia Internacional da Mulher. Anne-Marie pode ser acompanheira, na arte e na vida, de um dos grandes artistas doséculo 20. Não deve ter sido fácil para ela casar-se com um mitodo cinema e vir a ser reconhecida por seu trabalho, ainda maisque quase toda a sua produção é compartilhada por ele.Há três personagens masculinos em Após aReconciliação. Um deles se chama Robert e é interpretado porGodard. Três homens que se referem constantemente a uma mulhersem nome e que também é interpretada pela própria diretora,Anne-Marie. Fazem uma espécie de teatro e a própria Anne-Mariejá disse que o grande filme, para ela, é aquele a que se assiste(e ouve), mas que não se conta, porque o ideal é que aexperiência radical proporcionada pelo filme seja vivida, nãocontada.Filhos - As figuras em cena agridem-se e insultam-se,mas no final, Robert e a dama permanecem juntos. Em Hard andSoft, ambos usavam o vídeo para dialogar com o cinema e Godardse perguntava, lá pelas tantas, se o fato de fazer filmes em vezde filhos o tornava diferente das outras pessoas. Anne-Mariefala na filha (e na neta) em Após a Reconciliação. Discuteuma relação. Usa de novo o vídeo para falar de cinema. A palavra mais que o gesto, para celebrar o amor.Pode-se viajar na memória, pode-se lembrar muita coisa,mas não tudo. É uma frase forte de Após a Reconciliação.Refere-se justamente a uma coisa que você sabe, instintivamente,mas sobre a qual Anne-Marie quer refletir. Nossa memória éseletiva. Raramente lembramos tudo. Às vezes lembramos o que épreciso para ter um sentimento positivo das coisas, parareconciliar-nos com os outros e com nós mesmos. Às vezes, omovimento é inverso e retemos o negativo para fortalecer a nossaconvicção de que não há reconciliação possível.Personagem - Godard não é um ator, mas sua simplespresença confere densidade a Após a Reconciliação. Nada doque diz Robert é irrelevante porque, no fundo, quem fala pormeio dele não é o personagem, mas o diretor. Há uma conversasobre o cinema e o vídeo em Após a Reconciliação, herança deNous Tous Qui encore Sommes Ici. O cinema é o corpo e ovídeo é a alma? E o que significa ser a alma? Num filme antigo,dos anos 60, o sublime Viver a Vida, Godard já contou ahistória do ovo e da galinha. A galinha tem o exterior e ointerior. Tirando o exterior, fica o interior. E tirando esse oque sobra?Indagações godardianas que se referem à alma das pessoas mas talvez, principalmente à alma do próprio cinema. Anne-Marie como companheira, compartilha dessas preocupações. Tudo o que ela quer dizer em Após a Reconciliação pode ser resumido numa frase retirada do filme: "As palavras podem matar tanto quanto as armas." Tudo, sua reflexão sobre oamor e as pessoas, a arte e a vida, passa por aí.Após a Reconciliação (Aprs la Reconciliation). Drama.Direção de Anne-Marie Miéville. Fr-Suíça/2000. Duração: 74minutos. 14 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.