Efe
Efe

'Anjos e Demônios' não consegue superar 'Código Da Vinci'

Novo filme de Tom Hanks baseado no best seller de Dan Brown arrecadou US$ 152 milhões em todo mundo

REUTERS

18 de maio de 2009 | 12h29

"Anjos e Demônios", o filme recém-lançado baseado no popular romance de Dan Brown sobre uma conspiração na Igreja Católica, arrecadou US$ 152 milhões em vendas de ingressos em todo o mundo em seu final de semana de estreia, mas não se equiparou ao filme que o antecedeu, "O Código Da Vinci", que arrecadou US$ 224 milhões em seu fim de semana de estreia mundial, em 2006.

Veja também:

Veja o trailer de Anjos e Demônios  

A distribuidora Columbia Pictures informou no domingo que a sequência, que custou US$ 150 milhões de dólares para ser feita, arrecadou 48 milhões de dólares em seus três primeiros dias em cartaz nos Estados Unidos e Canadá, liderando as bilheterias e deixando em segundo lugar o campeão da semana passada, "Star Trek", que faturou 43 milhões. 

 

 "Anjos" também ganhou US$ 104,3 milhões em 96 outros países, nos quais foi número 1 nas bilheterias. Quando estreou,  "O Código Da Vinci" arrecadou com US$ 77 milhões em 2006 nos EUA  e US$ 147 milhões  no resto do mundo.

Pautando-se pelo que dizia o estúdio, os analistas tinham previsto que "Anjos" teria abertura de entre 40 e 50 milhões de dólares, e a Columbia se disse empolgada com o resultado.  Rory Bruer, presidente de distribuição mundial do estúdio, disse que "Anjos" deve passar de 150 milhões de dólares em vendas na América do Norte.

Inevitavelmente, o novo filme não conseguiu reproduzir a repercussão do primeiro. Baseado em outro best-seller de Dan Brown, "O Código Da Vinci" gerou uma tempestade de críticas devido a sua premissa: que Jesus teria engravidado Maria Madalena e que autoridades da Igreja teriam tentado manter segredo em torno de seus descendentes.

O Vaticano, assim como a maioria dos críticos, desancou "Código" mas adotou tom mais moderado em relação a "Anjos". A Columbia disse que o primeiro livro vendeu duas vezes mais cópias que o segundo - um indicativo claro de que o segundo filme tampouco teria o mesmo êxito que o primeiro.

Em "Anjos e Demônios," Tom Hanks está de volta como professor de Harvard cuja missão é salvar o pontificado, e Ron Howard está de volta na direção. Os críticos foram impiedosos, assim como foram com "Código da Vinci", cuja arrecadação internacional final foi US$ 540,7 milhões .

O site rottentomatoes.com, que reúne críticas e escores de filmes, disse que "Anjos e Demônios" obteve apenas 38% de resenhas positivas.

Tudo o que sabemos sobre:
FILMEANJOSDEMONIOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.