Fox Film
Fox Film

Anima Mundi chega a São Paulo com animador de 'Ilha dos Cachorros' brasileiro entre as atrações

Paulistano Matias Liebrecht, que trabalhou no filme de Wes Anderson, atualmente em cartaz, fará palestra em festival que chega à 26ª edição na cidade, com longas e curtas de 40 países

Pedro Antunes, O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2018 | 06h00

“Eu guardei o melhor para São Paulo”, brinca o animador Matias Liebrecht, paulistano, sobre a palestra – também chamada de masterclass – a ser ministrada durante a programação do Anima Mundi, o festival de animação que, depois de passar pelo Rio de Janeiro, chega a São Paulo nesta quarta-feira, 1.º – veja mais detalhes da programação abaixo. 

Aos 41 anos, Liebrecht já foi chamado de “o animador brasileiro de Tim Burton”, pelo trabalho realizado ao lado do diretor de filmes com uma estética gótica e trágica, como Edward Mãos de Tesoura (1990), e cômica, o caso de Beetlejuice: Os Fantasmas Se Divertem (1988). Integrou a equipe de Frankenweenie, de 2012.

Agora, ele é “o animador do Wes Anderson”. Brincadeiras à parte, Liebrecht integrou a equipe do cineasta norte-americano Wes Anderson em Ilha dos Cachorros (atualmente em cartaz no País), a primeira animação em stop motion do diretor desde O Fantástico Sr. Raposo, lançado em 2009. No longa ele, foi o key animator, um termo que, em tradução literal, significa “animador chave”, mas, na prática, indica o responsável por algumas das principais cenas da animação. 

“Todos os diretores, e não só Wes Anderson e Tim Burton, têm uma visão muito clara do que eles querem”, explica Liebrecht. “Cada um tem um estilo e é importante que eles saibam comunicar isso bem para as suas equipes.” O trabalho, afinal, é longo. No filme de Wes Anderson, por exemplo, foram dois anos no estúdio, para captar as cenas. 

No Anima Mundi carioca, na última sexta-feira, 27, Liebrecht se encontrou com o público para uma palestra na qual ele falava sobre animação e, é claro, sobre sua carreira e o trabalho no recente Ilha dos Cachorros.

Em São Paulo, a masterclass está marcada para sábado, 4. Liebrecth mostrará técnicas para se filmar em stop motion e vai mostrar, ao vivo, como registrar uma cena. “Falei que tinha reservado o melhor para o Rio”, ele segue, brincando. “Mas é interessante a oportunidade de ver como funciona esse tipo de animação.” Ilha dos Cachorros também será apresentado no Memorial da América Latina, dentro da programação do Anima Mundi, no domingo, 5, às 16h, com apresentação de Liebrecht.

Em SP, Anima Mindi traz 576 produções 

Ainda que Ilha dos Cachorros esteja em cartaz no País, a chance de assistir à animação com a introdução de Matias Liebrecht, o ilustrador brasileiro que trabalhou ao lado de Wes Anderson no longa, é uma experiência que só vai ocorrer uma vez. E será no Memorial da América Latina, no domingo, 5, a partir das 16h.

É também o dia de encerramento do Anima Mundi, festival dedicado à animação, em sua versão paulistana, iniciada nesta quarta-feira, 1º. Além do Memorial, a 26.ª edição do festival será também sediada no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) e em salas de cinema espalhadas pela cidade. 

O novo longa do Wes Anderson integra o Anima Mundi, mas não a mostra competitiva, tal qual a animação espanhola Pos Eso, de Samuel Ortí Martí, uma comédia sombria (e aterrorizante) sobre uma dançarina e seu filho possuído por um espírito maligno. O longa será exibido também no Memorial da América Latina, nesta quarta, 1.º, às 22h. 

A mostra competitiva do Anima Mundi também se mostra rechonchuda. Os números, como sempre, impressionam. São 405 filmes selecionados, de 40 países diferentes. Desse total, 180 são obras realizadas no País. Somando ainda as produções que integram as mostras especiais e retrospectivas, o número sobe para 576 títulos. 

No Anima Fórum, que é o braço do festival voltado para a indústria, além da presença do brasileiro Liebrecht, vale destacar a participação de Jean-Louis Padis, o francês que concorreu ao Oscar de 2018 com o curta Negative Space, do qual foi coprodutor, nesta quinta, 1.º, na Caixa Belas Artes, às 10h. 

A programação completa está em no site oficial do Anima Mundi 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.