Angelina Jolie se diz surpreendida pela atuação da filha em ‘Malévola’

Apesar disso, a atriz afirmou que não pretende repetir a experiência

EFE

22 de maio de 2014 | 10h37

A atriz Angeline Jolie disse nesta quarta-feira, 21, que, apesar de ter ficado surpreendida pela boa atuação da filha Vivienne em Malévola, nova versão da Disney de A Bela Adormecida, não pretende repetir a experiência. O filme, previsto para o próximo dia 30 de maio nos Estados Unidos, tem Jolie como vilã, e sua filha, Vivienne Jolie-Pitt, interpreta a princesa Aurora na sua fase mais infantil.

Angelina, 38, e seu marido, Brad Pitt, 50, pensaram duas vezes antes de permitir o salto da pequena Vivienne, de 5 anos, para a telona. De acordo com a atriz, a participação da filha no longa resolveu um problema de escolha de atores. “Não havia crianças pequenas que me vissem vestida como uma bruxa que conseguissem contracenar bem”, disse. O casal, segundo Angelina, sempre pensou que os filhos, três biológicos e três adotivos, devessem ter uma relação saudável com o mundo do cinema, mas sem ir além.

::: Cultura Estadão nas redes sociais :::
:: Facebook ::
:: Twitter ::

“Brad e eu nunca quisemos que nossos filhos fossem atores”, disse. “Mas se eles decidirem fazer isso quando forem maiores de idade, vou pedir que isso não seja o centro de suas vidas, que seja um aspecto”, revelou. Maleficent foi, porém, uma produção em que a família esteve muito envolvida: Angelina disse que treinava falas com os filhos, em casa, para ver suas reações.

Apesar disso, a atriz diz estar tentando separar a família da rotina de trabalho. “Quando sinto que estou fazendo muito, faço menos.” Ela e Brad Pitt tentam encaixar sua agenda de atuações para revezar também o cuidado das crianças. “Não sou uma mãe solteira com dois trabalhos para sobreviver”, comparou Angelina.

Neste filme, a atriz disse ter tido uma oportunidade de não se levar tão a sério, e também foi produtora executiva e teve participações no figurino e estética do longa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.