Toby Melville/Reuters
Toby Melville/Reuters

Angelina Jolie completa 40 anos com beleza e talento no cinema

Atriz, que já foi eleita a mais sexy do mundo, continua a todo vapor

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

04 de junho de 2015 | 09h53

São cada vez mais insistentes os boatos de que Angelina Jolie vai dirigir o primeiro filme estrelado por uma super-heroína da Marvel. Após o sucesso de sua participação como a guerreira de Mad Max - Estrada da Fúria, Charlize Theron virou a aposta mais segura para interpretar Carol Danvers/Capitã América. Não por acaso, Angelina e Charlize tornaram-se grandes amigas. A se julgar pela imprensa norte-americana, as duas já viajam na fantasia de Capitã Marvel.

À espera de uma definição, Angelina, a sra. Brad Pitt, entra nesta quinta-feira, 4,  nos 'enta' e comemora seus 40 anos bem vividos. Filha de Jon Voight, ela nasceu em Los Angeles, em 4 de junho de 1975. O canal Fox lembra a data exibindo um especial sobre ela. Na verdade, trata-se de um pacote, que será complementado pela exibição de dois filmes - o primeiro Lara Croft, Tomb Raider, e Sr. e Sra.Smith. Justamente o segundo foi o filme que reuniu a dupla 'Brangelina'. Todo mundo sabe - Brad vivia com Jennifer Aniston, Angelina o roubou da estrela de Friends. Pelo menos essa é a versão que a mídia adora divulgar. Desde então, Jenn tem levado uma vida sentimental errática e Brad volta e meia tem recaídas, gastando horas de telefonemas com ela.

Tudo isso pode ser só gossip, mas no mundo das celebridades o que os fãs mais curtem é um fuxico. A boataria, tudo o que se refere a Brad, Angelina e Jennifer, movimenta as carreiras dos três. Não por acaso, todos integram as listas de top 10 de Hollywood. Vamos viajar no tempo e voltar ao início. Angelina nunca teve uma relação muito boa com papai. Jon Voight pertence a uma geração que curtiu as drogas, o amor livre. Não foi o que se pode chamar de pai responsável. Mas foi com ele, ainda criança, que Angelina estreou no cinema - em Looking To Get Down, de 1982. Tinha 7 anos, mas só aos 18, com o filme de baixo orçamento Cyborg 2, ela decidiu que queria ser atriz. Seis anos depois, recebeu o Oscar de coadjuvante por Garota, Interrompida. O filme era estrelado por Wynona Ryder, mas quem estourou foi Angelina. Dois anos depois, em 2001, ela se tornou Lara Croft. Primeiro com Tomb Raider e, depois, com A Origem da Vida, em 2003, ela virou mito sexual no imaginário do público. A revista People a elegeu a mulher mais bela do mundo e as bilheterias não pararam de tilintar.

Em 2009, 2011 e 2013, a revista Forbes colocou-a no topo, como a celebridade mais bem paga de Hollywood. A essa altura, Angelina já se reconciliara com o pai e, desde 2005, vivia com Brad Pitt. Ela virou defensora de causas humanitárias, adotou crianças refugiadas de várias nacionalidades (Camboja, Vietnã, Etiópia e Namíbia) e teve os próprios filhos com Brad. No ano passado, atendendo ao pedido dos filhos, papai e mamãe casaram-se - numa cerimônia íntima no castelo que a família possui em Aix en Provence, no sul da França. Comprado ao preço de 35 milhões de libras, o chateau tem 35 dormitórios e uma extensa área de vinhedos, para a produção do próprio vinho. Marido rico, dinheiro (muito dinheiro), prêmios (Oscar, Globo de Ouro, Actors Guild Award), respeito da ONU, que a nomeou embaixadora. Em pouco mais de uma década, Angelina conquistou tudo. Mas ela queria mais - e virou diretora.

Como atriz, Angelina tem alternado blockbusters (os dois Lara Croft, Salt, O Procurado, O Turista, Malévola) com obras de um perfil mais autoral, de diretores como Michael Winterbottom (O Preço da Coragem) e Clint Eastwood (A Troca). Como diretora, ela tem revelado o mesmo gosto pela diversidade - Na Terra do Amor e do Ódio foi inspirado em sua experiência em zonas de guerra e no apoio a mulheres vítimas de estupro; Invencível baseia-se na história de corredor que sobreviveu à queda de seu avião no mar, durante a 2.ª Grande Guerra, e também ao período como prisioneiro em campos japoneses. E agora ela promete Capitã Marvel. Seus outros projetos - como atriz - incluem Salt 2 (o 1 havia sido escrito para Tom Cruise, que desistiu e o personagem virou mulher para acomodá-la) e uma nova versão da história de Cleópatra que já vem se arrastando há anos. Ao repórter, Angelina contou que sua Cleópatra será fiel à realidade, uma mulher feia mas carismática. Feia? Então não é personagem para ela, disse-lhe - agora falando na primeira pessoa -, num encontro promovido pela Sony em Cancún, no México. "How sweet", retrucou Angelina. E beijou o repórter. Retribuir o beijo, nesta data tão especial - 40 anos! -, vai ficar só no desejo. Parabéns, Angelina.

Mais conteúdo sobre:
Angelina JoliecinemaBrad Pitt

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.