Rozette Rago/The New York Times
Rozette Rago/The New York Times

Angela Bassett estrela nova comédia da Netflix: 'Mãe e Muito Mais'

No filme que estreia na sexta, 2, ela, Patricia Arquette e Felicity Huffman viajam até Nova York num Dia das Mães para surpreender seus filhos adultos e negligentes

Kathryn Shattuck, The New York Times

30 de julho de 2019 | 03h00

Você pode apostar que T’Challa nunca esqueceria a rainha Ramonda no Dia das Mães. Mas em Mãe e Muito Mais, seu novo filme na Netflix, Angela Bassett – amada pelos fãs como a matriarca real de Wakanda em Pantera Negra – vive uma mulher tão acostumada a ser negligenciada por seu filho adulto que ela envia a si mesma flores, que deveriam ser mandadas por ele no final de cada ano. Com essa nota: “Você é a melhor de todas as mães”.

Então, quando ela e as melhores amigas, igualmente negligenciadas, interpretadas por Patricia Arquette e Felicity Huffman, percebem que se tornaram “outras” em vez de mães, essas mães suburbanas saem de seus ninhos vazios e invadem Manhattan em uma caminhonete Volvo em busca da atenção e respeito de seus filhos.

“Achei incrivelmente divertido. Eu estava rindo muito”, disse Bassett sobre o filme dirigido e coescrito por Cindy Chupack (Sex and the City). “É raro ler um roteiro e realmente rir tanto.”

E mergulhar no reino da comédia foi um bem-vindo contraponto ao seu trabalho na série 9-1-1 da Fox, que na última temporada catapultou o personagem vivido por Bassett, a policial Athena Grant, do Departamento de Polícia de Los Angeles.

Infelizmente, as funções de mãe receberam o melhor de Mãe e Muito Mais quando sua estreia foi adiada de abril para agosto, depois que Huffman foi presa por seu envolvimento em um esquema milionário de compra de vagas para a admissão de seus filhos nas maiores universidades americanas. “Todo mundo comete erros. Nenhum de nós é perfeito”, afirmou Bassett. “Felicity lidou com essas circunstâncias infelizes de uma maneira madura. Ela se responsabilizou pelas suas decisões, e eu só posso respeitar isso.”

Atualmente, Bassett espera acrescentar um Emmy igual ao de seu marido, Courtney B. Vance, pela sua indicação como narrador de The Flood, um especial da National Geographic sobre o Delta do Okavango na África.

L

igando de Los Angeles, ela conversou sobre como tenta garantir que Bronwyn e Slater, seus gêmeos de 13 anos, nunca deixem o Dia das Mães passar despercebido.

Alguns trechos da conversa.

Já faz um tempo desde que você esteve com as amigas na tela. Como você encontrou o seu clima com Patricia e Felicity?

Eles são mulheres entusiasmadas, maravilhosas, talentosas e trabalhadoras que fazem você rir. Foi fácil estabelecer uma camaradagem.

Quais são as alegrias encontradas no esquadrão feminino de comédia?

Fiz isso algumas vezes, Falando de Amor e depois isso. E o filme Gunpowder Milkshake, que acabei de terminar na Alemanha, é um thriller de ação dirigido por mulheres, com as maravilhosas Michelle Yeoh e Carla Gugino e Lena Headey e Karen Gillan. É uma delícia estar perto de mulheres que lutam, cheias de vida, cheias de risos e amor. Sem egos. Elas apenas compartilhavam o melhor de si mesmas, o conhecimento de suas experiências.

Sua personagem, Carol, tem um filho que não quer convidá-la para uma festa do trabalho. Mas você recentemente levou seu filho para ver o rapper Logic e ele parecia ótimo com isso.

Antes de viajar para trabalhar em Berlim neste verão, durante seis semanas, eu o surpreendi. Foi uma sexta-feira. Essa é a surpresa número 1: ‘Você não vai para a escola hoje’. E eu estava com a camiseta do Logic. E então eu disse: ‘Ah, e última surpresa. Você tem um encontro privado com Logic antes de seu show’. Foi quando ele realmente ficou maluco. Ele foi o melhor garoto de todos os tempos. Eu era a mãe do melhor garoto. Acho que isso melhorou o relacionamento.

Eles não esquecerão você no Dia das Mães, certo?

Minha filha vai me dar algo especial. Uma pulseira de tornozelo, joia, algo que é uma graça. Meu filho vai me dar um livro sobre tacos. “Você gosta de cozinhar, mas eu gosto de tacos. Aqui está, mãe.” É assim que ele é.

Você acabou de começar a filmar a terceira temporada de 9-1-1. Como é assumir um papel que mantém você sempre em atividade?

Sabe de uma coisa? Isso vai me manter na linha porque a roupa de poliéster não estica. Meu uniforme está um pouco apertado neste verão. É difícil correr com poliéster apertado. Você realmente tem de prestar atenção aos detalhes.

Antes de 9-1-1, você colaborou com Ryan Murphy por quatro anos em American Horror Story também. Qual é a raiz da sua lealdade?

Tão surpresa quanto o público, semana após semana, nós atores também nos surpreendemos quando nos sentamos e abrimos o texto de cada episódio seguinte. É alucinante, mas é ótimo. Eu amo os bastidores, porque dão oportunidades para aqueles que são merecedores. E na frente da câmera, papéis para mulheres ou personagens que podem estar do lado de fora. Coisas que são apenas a norma – isso não é interessante para o Ryan.

Quando o Pantera Negra 2 será lançado?

Não faço ideia, mas presumo que estarei lá. Eu não pedi que eles jogassem meu corpo no oceano com meus ancestrais.

A adesão esmagadora a Pantera Negra surpreendeu você?

Com certeza. Eu não sou grande entendedora do mundo dos quadrinhos. Eu ficaria online e veria um pouco da empolgação dos fanáticos, e por isso tive a impressão de que seria ótimo para eles. Mas isso apenas atravessou tantas fronteiras e ressoou junto a tantas pessoas diferentes – mulheres de 84 anos se aproximaram de mim e disseram “Wakanda para sempre”. Ou garotinhos da Irlanda falaram: “É a Rainha Ramonda!”. Foi realmente muito gratificante fazer parte de um projeto que tocou o público e fez com que ele se sentisse bem consigo mesmo e com o mundo.

Você disse que se relacionou com o desabrochar de Carol em Mãe e Muito Mais. Mas você parece estar em plena floração, tendo agitado as coisas no Instagram com uma foto de biquíni no seu 60º aniversário, no ano passado. O que você planejou para o seu 61º?

Agora eu te disse que meu traje em poliéster está um pouco apertado, então não vou fazer isso este ano. Sim, muito se fez com isso. Eu estava me sentindo muito confiante, me divertindo e é assim, por que não? Foi diferente para mim, então haveria um pequeno fator de choque. Eu vou estar no set trabalhando este ano em 9-1-1. Estou florescendo? Eu apenas tento florescer todos os dias, penso eu, de alguma maneira. Não pode ser sempre com uma foto de biquíni. (Risos) / TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO

Tudo o que sabemos sobre:
Angela BassettcinemaNetflix

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.