Ancine autoriza Guilherme Fontes a captar recursos

A Agência Nacional de Cinema (Ancine) prorrogou o prazo para captação de recursos do filme Chatô, o Rei do Brasil, de Guilherme Fontes, iniciado em 1995. Despacho da Ancine no Diário Oficial da União, publicado na terça-feira, autoriza Fontes a buscar recursos até o dia 31 de dezembro de 2004.Um dos casos mais problemáticos da recente política de financiamento do cinema nacional, o filme Chatô teve de ser interrompido, em 2000, por problemas na sua prestação de contas. O TCU liberou o filme, no último ano da gestão Francisco Weffort, para buscar novos recursos no mercado. Chatô captou R$ 8,6 milhões, até ser interrompido. O TCU o liberou para buscar mais R$ 3,3 milhões, e parte desse dinheiro foi conseguida com a Petrobrás no ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.