20th Century Fox/ Divulgação
20th Century Fox/ Divulgação

Análise: Pai e filho, numa busca cósmica entre Coppola e Kubrick

'Ad Astra', novo filme de Brad Pitt, mostra viagem intergaláctica do ator em busca de familiar desaparecido

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

25 de setembro de 2019 | 18h05

Todos os filmes de James Gray contam histórias sobre afetos, e/ou famílias. A Cidade Perdida de Z é sobre pai e filho na imensidão da selva. Ad Astra – Rumo às Estrelas é de novo sobre pai e filho, agora na imensidão do espaço. Brad Pitt viaja aos confins do sistema solar em busca do pai, que desapareceu, era considerado morto, mas está vivo – e pode estar por trás das tempestades magnéticas que ameaçam a Terra.

Lembra alguma coisa? A busca, por Martin Sheen, do coronel Kurtz, que opera de uma base no Camboja e também está detrás da destruição que os norte-americanos promovem no Sudeste Asiático. Apocalypse Now. Francis Ford Coppola. Não apenas. A busca pelo pai, Tommy Lee Jones, dispensa o monolito negro, mas também carrega interrogações metafísicas. Deus, a tecnologia. Existe vida além da Terra? O silêncio angustiante de Deus. Um tantinho de Ingmar Bergman, mas, principalmente, Stanley Kubrick. 2001, Uma Odisseia no Espaço.

Em sucessivas entrevistas ao Estado, e ao repórter, um ponto comum nas conversas sempre foi o mestre italiano Luchino Visconti. Rocco e Seus Irmãos. O grande, o maior filme sobre família? Como um nova-iorquino, descendente de ucranianos, pode sentir/entender a passionalidade e possessividade das famílias de sangue latinas? James Gray sempre entendeu. O astronauta Brad Pitt é um homem no controle das situações – e dos seus batimentos cardíacos. Racional, equilibrado, centrado. Só o pai o desestabiliza. O pai que enlouqueceu na sua busca. Caminhos Sem Volta, o título de um dos primeiros longas do diretor. O pai atormenta-se porque não consegue respostas do espaço. Não percebe o que está tão próximo, o afeto. O filho decifra o enigma da vida, antes que seja tarde demais.

Ad Astra é épico, sobre a conquista do espaço, e intimista, sobre a jornada de um homem em busca de si mesmo, e do autoconhecimento. James Gray já fez grandes filmes, mas esse talvez seja o maior de todos. Há mais de 50 anos, Arthur C. Clarke, fundamental na engrenagem de 2001, já estabelecera certas leis. Para superar os limites do possível é preciso adentrar o impossível. Não existe tecnologia avançada indesligável da magia. Tudo isso anima o personagem de Pitt e leva à lágrima do homem que, finalmente, pode voltar para casa. A casa, a mulher. Liv Tyler. Sua beleza roubada, no filme de Bernardo Bertolucci, é, mesmo que seja para poucos, um culto imorredouro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.