Fox Film
Fox Film

Análise: 'O Touro Ferdinando' é lição sobre tolerância e aceitação para adultos e crianças

Filme de Carlos Saldanha estreia no Brasil nesta quinta-feira, 11

Pedro Antunes, O Estado de S.Paulo

10 Janeiro 2018 | 06h02

Na jornada de Ferdinando, as expectativas estão ali para serem quebradas. Imposições, moídas, tornam-se pó. É bonito. É uma aula. É tolerância – ou seja, o timing de lançamento da nova animação do brasileiro Carlos Saldanha, marcado para esta quinta-feira, 11, é ótimo. Quem sabe essa mensagem dita em tela grande, tão no início de 2018, faça com que o ano seja melhor, nesse sentido, do que 2017. 

Era um bezerro apreciador do cheiro das flores transformado pelos anos em um gigante, assustador e gentil touro. Deveria ser um animal disposto a ingressar nas questionáveis touradas em Madri, a tumultuada e linda capital da Espanha. Não é isso, contudo.

O bicho não quer saber de correr atrás de uma bandeira vermelha sacolejante e levar espetadas de toureiros por aí. Seus planos incluem a sombra de um árvore e o perfume dos mais variados buquês. Opõem-se, sem entender direito o motivo disso, às tradições, aos ensinamentos passados de pai para filho, ao que a sociedade espera dos touros – pensam neles como feras gigantescas, indomáveis, temíveis. +++ Animação 'O Touro Ferdinando' era sonho antigo do diretor Carlos Saldanha

Ferdinando é tão doce quanto minha tia Janice ou aquela pessoa amável próxima de você. Quer paz, não guerra. 

Há um bom punhado de subtextos ali – um deleite para os pais que levarão a criançada para as salas de cinema durante as férias escolares. A mais clara, óbvio, é a crítica às touradas na Espanha – a agonia de um bezerro a esperar pela volta do pai, que nunca acontece, é de rachar até mesmo o coração mais rígido.

Todos se mostram ao longo da viagem de Ferdinando, confundido com um touro agressivo e levado até uma arena de touradas, como no livro de Munro Leaf. 

O que Saldanha avança, na narrativa de O Touro Ferdinando, é questionar: “O que define você?”. Ferdinando e Valente são ambos bezerros de uma mesma geração. Um é afetado pela agressividade do ambiente no qual está inserido, aceita a função que lhe é imposta; inocentemente, Ferdinando pergunta ao pai: “E se meu sonho for outro?”.

Ouve que sonhos, às vezes, mudam. No caso do cheirador de flores mudou pouco. No caso do touro obrigado a ser valentão, as coisas são diferentes. E mais doloridas. Quem está certo? 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.