George Kraychyk/Hulu/AP
George Kraychyk/Hulu/AP

Análise: No Globo de Ouro, todos queremos saber os vencedores, mas queremos ouvir os discursos

Cerimônia será realizada neste domingo, 7, às 23h (horário de Brasília)

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

07 Janeiro 2018 | 06h01

Ainda não se haviam completado duas semanas da posse de Donald Trump, quando Meryl Streep, no Globo de Ouro do ano passado, bateu pesado no presidente eleito, mesmo sem nomeá-lo. Defendeu os imigrantes, e disse que Hollywood, os EUA, ‘são só um bando de gente de outros lugares’.

Foi mais incisiva – acrescentou qual a performance do ano que mais a havia abatido. “A pessoa que pediu para ocupar o posto mais alto do nosso país imitou um jornalista deficiente físico.” Trump retrucou nas redes sociais dizendo que ela, Meryl, é uma atriz superestimada e ela não se intimidou - “Sou a mais superestimada, superpremiada e super-repreendida das atrizes”, voltou à carga.

+++ Globo de Ouro estreia temporada de premiações com uma Hollywood em transformação

Meryl está de novo entre as indicadas para o Globo de Ouro de melhor atriz de drama, e um ano depois o cartaz do presidente Donald Trump com a classe artística não melhorou nem um pouco. Não só com a classe artística. Já tem gente apostando a data em que ele sofrerá impeachment, as revistas investigam a cabeça do presidente – as coisas são assim porque “eu quero”, e um novo livro, naturalmente não autorizado, cita uma frase dele.

+++ Iniciativa 'Time’s Up' pede às mulheres para vestir preto no Globo de Ouro

“Não tem nada melhor que dormir com as mulheres dos amigos.” Considerando-se que, de outubro passado para cá, o empoderamento das mulheres traduziu-se em denúncias de assédio que derrubaram figurões da indústria, a disputa dessa noite talvez seja relegada a segundo plano. Sim, todos queremos saber os vencedores, mas queremos mais ainda ouvir seus discursos.

+++ Globo de Ouro 2018: Previsões sobre as principais categorias

No cinema, o campeão de indicações é A Forma da Água, do mexicano Guillermo Del Toro, que poderá somar seu nome ao de outros ilustres cineastas do México que, nos últimos anos – Alfonso Cuarón e Alejandro González-Iñárritu -, receberam, não apenas o prêmio da Associação dos Correspondentes Estrangeiros como pavimentaram com ele a escalada para o Oscar. OK, o Globo de Ouro talvez não seja mais indicador seguro para o prêmio da Academia, mas o glamour, e as falas, da cerimônia repercutem na mídia e podem influenciar o Oscar.

Trump continua em guerra com os imigrantes, e os mexicanos, e isso pode ajudar o longa de Del Toro. A Forma da Água tem sido bem avaliado pelos críticos, ganhou prêmios importantes – desde o Leão de Ouro em Veneza – e possui um background político que pode contar pontos.

+++ 'Mãe!' e novo filme de Woody Allen lideram lista prévia do Framboesa de Ouro

A história da faxineira muda que se liga a um bizarro ser aquático num laboratório top secret passa-se em plena Guerra Fria, nos anos 1960, quando os norte-americanos e soviéticos brigavam para ser primeiros no espaço. O império soviético ruiu e hoje o novo czar da Rússia capitalista, Putin, não está nem um pouco disposto a ser segundo de Trump na geopolítica mundial.

A Forma da Água soma à qualidade, a oportunidade. Na categoria comédia ou musical, concorre um terror que tem tudo a ver com as reações à era Trump – Corra!, de Jordan Peele. Na TV, Little Big Lies, da HBO, é favorito, com seis indicações. Apertem os cintos que a noite será longa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.