A24 Films
A24 Films

Análise: Filme 'Sempre em Frente' é um dos grandes injustiçados do Oscar

Longa com Joaquin Phoenix não recebeu nenhuma indicação ao prêmio

Luiz Carlos Merten, Especial para o Estadão

18 de fevereiro de 2022 | 16h20

Bíblia do showbiz nos EUA, Variety estabeleceu uma lista de 22 filmes que a revista considera injustamente esquecidos no Oscar deste ano. Começa com A Crônica Francesa, de Wes Anderson – que o crítico Peter Debruge considerou o segundo melhor filme de 2021 – e posiciona Sempre em Frente em 11º. C’Mon C’Mon estreou nos cinemas brasileiros nesta quinta, 17. É o primeiro filme de Joaquin Phoenix desde o prêmio da Academia que recebeu por Coringa, há dois anos. É escrito e dirigido por Mike Mills, que anteriormente recebeu indicações pelos roteiros de Beginners e 20th Century Women. 

Phoenix faz um jornalista que percorre os EUA entrevistando crianças e adolescentes. Colhe deles testemunhos sobre o estado do mundo e as possibilidades futuras. Família meio ambiente, (in)tolerâsncia. Phoenix atravessa um momento muio específico – e difícil – de sua vida. Foi abandonado perla mulher, a mãe morreu e a irmã lhe pede para cuidar do sobrinho para que ela possa assistir o marido instável, que sofreu um surto e precisou ser internado. O garoto acompanha Phoenix em suas andanças. 

Há um lado, digamos assim, técnico em Sempre em Frente, quando o garoto aprende a gravar os sons da natureza e da cidade, não apenas as palavras. Phoenix e ele estabelecem uma relação que poderia ser de pai e filho e que Mills coloca na tela para expressar as próprias inseguranças em relação à paternidade. O filme é lindamente fotografado em preto e branco. No passado, a Academia possuía categorias diferentes para P&B e cores. Agora existe apenas um prêmio de fotografia. Há um filme P&B concorrendo com quatro coloridos este ano. Bruno Delbonel fez um trabalho incrível em A Tragédia de Macbeth, de Joel Coen, mas também poderiam ter sido selecionados Haris Zambarloukos, por Belfast, de Kenneth Branagh – outro filme do ator-diretor em cartaz nos cinemas, Morte no Nilo, começa P&B -, e Robbie Ryan, por seu suntuoso trabalho no Mike Mills. 

O Artista foi a última produção em preto e branco a triunfar na Academia – filme, direção, ator, trilha e figurino -, há dez anos, mas nem o longa do francês Michel Hazanavicius venceu o prêmio de fotografia, por mais brilhante que fosse o trabalho de Guillaume Schiffman. No conceito da indústria, o P&B já categoriza o filme num segmento, o de arte. São obras de prestígio, mas menos rentáveis. Sempre em Frente é exemplar. Além da foto, a trilha é de clássicos – Clair de Lune, de Debussy. São imagens e sons que enchem os olhos, os ouvidos, o coração. Pois o filme, como indica o título - Sempre em Frente -, responde à crise com esperança no futuro. 

O garoto – Woody Norman – é a chave do filme. Joaquin Phoenix cria um personagem sob medida para ele. Confuso, atormentado, é impossível, para quem não é Atlas, carregar nas costas o peso do mundo. Phoenix não só carrega, como faz questão de demonstrá-lo. Dependendo de quem vê pode ser aborrecido. Às dúvidas do tio, Jesse, o menino, responde com sinceridade e autenticidade. É o adulto da história. Há 43 anos, em Muito Além do Jardim, Hal Ashby já mostrou o homem mais poderoso da Terra – o presidente dos EUA - confrontado com a inocência de um sujeitinho que sempre viveu recluso e aprendeu a ver o mundo midiatizado pela TV. Peter Sellers fazia o papel daquele homem-criança, o videota. Jesse não precisa da TV para ser sábio. 

Fantasia ou realidade, a criança tem sido o avatar dos que não abrem mão do sonho. Basta ver e ouvir o que dizem os entrevistados de Sempre em Frente. Não seria melhor um documentário? Num outro contexto, num outro tipo de filme, Jesse dialoga com O Último Mestre do Ar. Mike Mills talvez seja um M. Night Shyamalan que não precisa de efeitos para sonhar.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.