Paris Filmes
Paris Filmes

Análise: 'Do Jeito Que Elas Gostam' não é sobre 'velha' ou velho', mas sobre preconceito

'Do Jeito Que Elas Querem', com Jane Fonda e Diane Keaton no elenco, é sobre quatro amigas que se mantêm unidas em torno de um clube do livro. mulheres na terceira idade, confrontadas com o mundo

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

12 Junho 2018 | 06h00

Jane Fonda esteve gloriosa em Cannes, em maio. Foi homenageada por Cannes Classics com a exibição do documentário Jane Fonda in Five Acts, da HBO. Todas as faces de Jane Fonda – ícone sexual, após Barbarella, Hanói Jane, por sua oposição à guerra do Vietnã, feminista, defensora do planeta e divulgadora da ginástica aeróbica. A melhor propaganda de Jane Fonda é ela, com seu senso de humor. Do Jeito Que Elas Querem é sobre quatro amigas que se mantêm unidas em torno de um clube do livro (Book Club, o título original). As amigas se congratulam com ela por ter sido poupada do envelhecimento pela natureza – e pelas cirurgias plásticas.

Do Jeito Que Elas Querem é sobre mulheres na terceira idade, confrontadas com o mundo. Uma juíza, uma empreendedora, uma dona de casa, uma viúva recente. A juíza descobre que o ex-marido e o filho vão noivar no mesmo dia. A empreendedora reencontra um antigo namorado e dorme, literalmente, com ele. Entra em crise – homens são para ter sexo, não dormir, é seu lema. A dona de casa tenta de todas as formas ir para os finalmentes com o marido traumatizado pela aposentadoria. E a viúva está sendo enterrada pelas filhas dedicadas, que não conseguem imaginar que a mãe ainda possa sentir desejo.

+++ Com Jane Fonda e Diane Keaton, filme 'Do Jeito Que Elas Querem' mostra que nunca é tarde para o amor

O ponto de partida está no livro do mês – Cinquenta Tons de Cinza, de E.L. James. O que essas mulheres – pejorativamente, essas ‘velhas’ – podem aprender com os jogos de sexo do milionário Christian Grey? Aprendem que amor é só uma palavra que precisa de alguém para lhe dar um sentido especial. E que a vida não termina antes do último suspiro, e que é possível recomeçar – sempre. Um ‘feel good movie’ para adeptos de comédias românticas, mas não as tradicionais, porque a trama – e os diálogos – são apimentados com muita safadeza. As encalhadas vão amar, mas por que o preconceito? Já que trata de mulheres héteros, Do Jeito Que Elas Querem fala também sobre homens e seus problemas afetivos e sexuais. Tudo sai errado para que, no final, tudo dê certo.

Jane e as outras – Candice Bergen, Diane Keaton, Mary Steenburgen. O que querem essas mulheres? Sexo, mas não apenas. Afeto, romance. Produtor e roteirista, Bill Holderman faz sua estreia na direção. Está nos 40. É curioso – interessante – que tenha escolhido filmar mulheres nos 80, como a mítica Jane. Uma lingerie especial para ajudar a modelar a forma de quem a perdeu. A azulzinha, o Viagra. O filme incorpora uma espécie de bestiário de sexo de quem não é mais jovem. Belas, elas continuam sendo. Eles não deixam de se autoironizar, também – Andy Garcia, Richard Dreyfuss, Craig T. Nelson. Cada uma dessas mulheres fez história, à sua maneira. Continuam fazendo.

Do Jeito Que Elas Querem não é sobre ‘velhas’, nem ‘velhos’. Talvez seja muito mais sobre os preconceitos dos mais jovens com a terceira idade. Dizer que o filme é ótimo talvez seja exagero, mas bom, com certeza, é. Uma piada muito particular. Já que estamos falando de Jamie Dornan e Dakota Johnson, é o pai dela, Don Johnson que mexe com as (in)seguranças de Jane Fonda. É o tema de Jane Fonda in Five Acts, de Susan Lacy. Essa mulher pode ser um mito, mas admite, para os outros e para ela mesma, que não é de ferro. Possui vulnerabilidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.