Warner Bros
Warner Bros

Análise: 'Crime do século' inspirou Alfred Hitchcock e outros

Primeiro foi de Hitchcock, em 1948, e o mais recente é o do franco-iraniano Barbet Schroeder, ‘Cálculo Mortal’, de 2002

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

03 Julho 2018 | 06h00
Atualizado 03 Julho 2018 | 13h12

Em 1948, Alfred Hitchcock resolveu fazer um experimento – um filme em plano contínuo, sem cortes. Driblando a tecnologia precária da época – não havia chassi de celuloide que permitisse a duração completa de um filme –, propôs o suspense Festim Diabólico. Anos depois, no livro com a entrevista que concedeu a François TruffautHitchcock/Truffaut –, só falaram de tecnologia e o mestre tentou conter o entusiasmo do discípulo. Não era dos seus filmes preferidos e ele achava o plano contínuo uma burrice, pois seu método repousa(va) sobre a montagem.

+++ TUDO SOBRE: Alfred Hitchcock

O tema, que ambos negligenciaram, ainda faz a força de Festim Diabólico. Dois jovens resolvem cometer o crime perfeito. O direito de matar um indivíduo provocou perturbação porque, afinal, ainda eram recentes as descobertas da imensidão dos crimes dos nazistas na 2.ª Guerra. Hitchcock baseou-se numa peça inspirada na história real de Leopold e Loeb, que tentaram cometer o tal crime perfeito em 1924 e foram pegos.

A mesma história inspirou um dos filmes de prestígio de Richard Fleischer, Estranha Compulsão, de 1959, que ficcionalizava, com outros nomes, o que ficou conhecido como “julgamento do século”, o da dupla. Orson Welles fazia o advogado de defesa.

+++ 'Pacto' traz os jovens que, inspirados em Nietzsche, mataram por se acharem superiores

Em 1992, houve outra versão, que é considerada um marco do new queer cinema. Em Swoon – Colapso do Desejo, Tom Kalin avança no que Hitchcock e Fleischer sugeriam – Leopold e Loeb eram gays enrustidos e o crime tinha conotação sexual. Mais dez anos e, em 2002, o franco-iraniano Barbet Schroeder fez Cálculo Mortal, em que outros dois estudantes planejam o crime perfeito e, agora, não apenas a vítima é do sexo feminino como a policial que investiga o caso é vivida por Sandra Bullock. Imagine se ela não enquadra os criminosos.

Por hedionda que tenha sido, ideologicamente, a iniciativa de Leopold e Loeb, o crime só rendeu bons filmes no cinema.

 

Mais conteúdo sobre:
Richard Fleischer cinema Alfred Hitchcock

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.