Disney
Disney

Análise: 'Christopher Robin - Um Reencontro Inesquecível' não é bem um filme infantil

Longa reinventa, com produção da Disney, a saga do ursinho Pooh

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2018 | 06h00

Embora possua alguns filmes 'adultos' em seu currículo - Gritos na Noite, A Última Ceia, 007 - Quantum of Solace -, talvez seja mais acurado dizer que o diretor Marc Forster é mais chegado aos traumas do universo infantil. Formam o tema de seus melhores filmes - O Caçador de Pipas, Em Busca da Terra do Nunca. Forster trafega agora novamente pela fronteira da fantasia com Christopher Robin - O Reencontro Inesquecível. Reinventa, com produção da Disney, a saga do ursinho Pooh e seus amigos do Bosque dos Cem Acres.

Com o urso fofo estão de volta Tigrão, Leitão, Abel, Corujão, etc. Na base do roteiro do também diretor Alex Ross Perry, o garoto Christopher cresceu e virou, na interpretação de Ewan McGregor, um adulto amargurado, embora tenha filha e mulher adoráveis. A questão está na sua frustração no ambiente de trabalho. Tentando satisfazer o patrão exigente, Christopher se esquece de ser fiel a si mesmo. E é por isso que o Ursinho Pooh volta - para ensiná-lo a ser um homem melhor.

Criado pelo escritor inglês Alan Alexander Milne com base na figura do urso de pelúcia de seu filho Christopher, Winnie (em inglês) mistura outros elementos, como o urso de verdade que Milne levava o filho para ver no zoológico. Pooh pode ser associado ao universo infantil no Brasil, mas nos países de língua inglesa é obra para o público adulto, inclusive merecedor de estudos psicanalíticos como o de Donald W. Winnicott, que fez uma teorização sobre o urso de pelúcia e o polegar do bebê para concluir que Pooh serve como objeto transicional, permitindo a separação da criança da figura materna. Não é que Forster vá na contramão, mas o que propõe é uma reintegração de Christopher Robin à vida familiar com suas responsabilidades de adulto. Nesse sentido, não é bem um filme infantil, e talvez seja até um tanto sombrio, mas tem qualidades e um charme todo particular.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.