Divulgação
Divulgação

Ana Moravi leva poesia e sutileza a Festival de Tiradentes

Sutil 'A Mulher Que Amou o Vento' quebrou o paradigma social dos primeiros filmes da Mostra Aurora deste ano

Luiz Carlos Merten, Tiradentes - O Estado de S. Paulo

30 Janeiro 2014 | 16h46

Foi há dois anos que, interessada em fazer um filme sobre a potência das imagens – sobre o significado e o significante, sobre o que as imagens mostram mas não revelam – que a cineasta mineira Ana Moravi teve a ideia de fazer um filme sobre... o vento. Nada mais invisível que o vento, e ao mesmo tempo percebemos seus efeitos, como brisa, ventania ou furacão. Ana começou a pesquisar e imediatamente descobriu História do Vento, último filme de Joris Ivens, que o grande documentarista holandês fez em 1988, com sua mulher, Marceline Loredan.

Filme ensaístico, Histoire Du Vent parece esgotar o assunto. É intimidador para um principiante – uma. Mas Ana não desanimou. Pegando carona em Lev Kulechov, a teoria de que duas imagens justapostas criam uma terceira no inconsciente do público, ela começou a construir a sua história do vento. E fez A Mulher Que Amou o Vento.

Embora possua um pensamento sofisticado, fruto de racionalização (e experimentação), Ana apostou no básico. O abecê - do cinema, da arte e da vida - comporta muitas conexões e possibilidades. É só não se prender ao óbvio. Ousar. E surgiu essa joias do experimentalismo mineiro, que bebe na fonte da videoarte e da mitologia, mas busca uma via original. No palco do Cine-Tenda, Ana agradeceu ao pai, que a introduziu no universo de Anibal Machado. O escritor, hoje um tanto esquecido, é autor de O Iniciado do Vento, que deu origem ao filme O Menino e o Vento, de Carlos Hugo Christensen. Há uma história em A Mulher Que Amou o Vento. É a de Flora, de como ela invoca e se relaciona com o vento.

Muito antes de Jorins Ivens - 60 anos -, o sueco Victor Sjostrom, rebatizado como Victor Seastrom, em sua passagem por Hollywood, fez com Lilian Gish um filme chamado O Vento. Grande diretor, Sjostrom talvez seja mais lembrado hoje pelo papel do professor Isak Borg em Morangos Silvestres, mas o próprio Ingmar Bergman lhe rendeu homenagem, incorporando cenas de A Carroça Fantasma à sua obra-prima. Em o Vento, Sjostrom conta a história de uma mulher, uma estrangeira no Velho Oeste. Ela se envolve com o homem errado, vive experiências fortes - brutais. Sjostrom filma o concreto - a paisagem, o sofrimento da protagonista -, mas o vento está ali presente e é o seu tema. Sjostrom usa o concreto para revelar o indizível, o invisível.

Ana Moravi, pegando carona no mito, dá uma forma humana ao vento. Transformado numa figura exótica - um albino -, ele é interpretado por seu marido, o ator e também diretor Dellani Lima, que esteve aqui, no ano passado, frente às câmera de Linz, que ganhou um prêmio do júri. O vento, Zéphyro, sopra no cangote de Flora, a protagonista. Numa cena, ela dança, e a dança adquire uma dimensão sensual. Nós a vemos sozinha em cena, mas também no dueto com o vento. Thais Dahas, que faz Flora, falou sobre a forma como construiu a personagem - femininas, delicada, mas obstinada, e forte. Uma fala de Flora - "Eu me jogo no perigo só para poder soprar minhas feridas".

Como outros grandes filmes brasileiros contemporâneos, A Mulher Que Amou o Vento não entrega sua história pronta para o público, mas o convida a construir a história de Flora e Zéphyro. E, neste sentido, como São Silvestre, de Lina Chamie, A Mulher depende muito da participação do espectador. Todo filme depende, mas existem filmes em que os significados e significantes são muito evidentes, quase óbvios. E existem outros mais velados, que jogam a carta do tudo ou nada. É um filme sobre nada e que fala de tudo. O indizível feito imagem e som. Com sua linguagem - poética? -, A Mulher quebrou o paradigma social dos primeiros filmes da Mostra Aurora deste ano, inclusive o muito bom A Vizinhança do Tigre. O tema da exclusão social que Affonso Uchoa trata com tanta força e propriedade, cede lugar a essa coisa mais tênue, delicada mas obstinada, que Flora e o próprio A Mulher Que Amou o Vento encarnam. A Mostra Aurora diversifica-se, e nós, o cinema, todos ganhamos com isso.

Mais conteúdo sobre:
Mostra de Cinema de Tiradentes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.