"Amores Perros" conquista platéia em San Sebastián

"É difícil contar uma história bonita vivendo na Cidade do México atual. Não quero dizer que não aconteçam, mas no México há uma situação social bastante instável", afirmou hoje o diretor azteca Alejandro González Iñárritu, que apresentou no Festival de Cinema de San Sebastián seu longa Amores Perros.O filme foi a primeira sensação no programa do último Festival de Cannes, onde foi premiado na semana da Crítica. Amores Perros, "sem ser político, mostra a conseqüência política em um país que foi governado 70 anos por um único partido e que cometeu uma série de brutalidades pelo caminho", acrescentou González Iñárritu.Estrela do rádio e professional do meio publicitário, o realizador de 36 anos diz estar farto deste passado: "te dá dinheiro, mas te assalta a alma". Assim, ele finalmente decidiu dedicar-se ao que sempre quis realmente fazer: diretor de cinema.Seu debute não poderia ter sido melhor. Além do prêmio em Cannes e a distinção como melhor diretor no Festival de Edimburgo, Amores Perros arrasou na bilheteria mexicana e inclusive superou pesos pesados como Missão Impossível 2 e O Patriota.González Iñárritu aproveitou o festival para expôr seus planos futuros. Já está preparando seu próximo trabalho, "uma comédia de humor negro" que está preparando com o diretor mexicano Carlos Cuarón. Também confessou desejar voltar a trabalhar com o reteirista de Amores Perros, o escritor Guillermo Arriaga, ainda que sempre buscando "comover, emocionar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.