Americanos têm complexo sexual e são gordos, diz Woody Allen

Diretor relaciona compulsão por armas e 'loucura religiosa' de seus compatriotas ao medo e à repressão erótica

Efe,

03 de dezembro de 2009 | 12h41

BERLIM - O diretor americano Woody Allen considera que a maioria de seus compatriotas, principalmente aqueles que procedem da chamada "América profunda", são gordos e sexualmente complexados.

"Tudo ali é expressão do medo e da repressão sexual: a loucura religiosa, o fanatismo pelas armas, a extrema-direita louca. Têm uma visão da sexualidade marcada por duvidosas leis morais", afirma Allen, em entrevista antecipada nesta quinta-feira, 3, pelo jornal Die Zeit.

O diretor de "Vicky Cristina Barcelona", entre outros muitos filmes, considera que o sexo é utilizado nos Estados Unidos "como uma arma dramática, assim como a violência" e que as muitas cenas de sexo nos filmes produzidos em seu país são "simplesmente entediantes".

Allen faz uma exceção a Nova York, onde afirma que há uma relação mais flexível com o sexo e onde acaba de filmar com Larry David, Adam Brooks e Lyle Kanouse sua mais recente comédia, "Tudo Pode Dar Certo", que chega em breve aos cinemas na Europa.

Finalmente, revela que seus óculos fazem com que muita gente ache que ele é um intelectual, mas diz - com certo deboche - que só leu o primeiro livro aos 18 anos, e só fez isso "para impressionar as meninas. "Fui então um grande esportista, mas isso ninguém acredita", diz.

Tudo o que sabemos sobre:
Woody Allencinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.