Kevork Djansezian/ Reuters
Kevork Djansezian/ Reuters

Amber Heard X Johnny Depp: entenda a disputa judicial que envolve acusações de violência e difamação

Atores se enfrentam nos tribunais desde 2016, quando ainda eram legalmente casados; desde então, vários processos foram movidos por ambos na justiça

João Luiz Sampaio, Especial para o Estadão

06 de maio de 2022 | 13h31

O casamento entre Johnny Depp e Amber Heard durou dois anos, de 2015 a 2017. A partir de 2016, no entanto, os dois passaram a se acusar mutuamente de agressões e violência, com diversos processos sendo movidos na justiça. Entenda o caso.

A primeira acusação

A briga judicial entre Johnny Depp e Amber Heard começou em 2016, quando ela processou o marido por violência conjugal. As acusações foram retiradas durante o processo de divórcio. Em 2018, no entanto, o tabloide inglês publicou um texto no qual afirmava que Depp era um marido violento, questionando como a escritora J.K. Rowling poderia aceitá-lo no elenco do filme Animas Fantásticos, spin-off do universo de Harry Potter. O ator processou o jornal, mas perdeu o caso em março deste ano.

Um artigo no 'Washington Post'

Também em 2018, sem citar Depp, Amber Heard escreveu um artigo no jornal Washington Post no qual falava de abusos sofridos desde a infância. O texto não citava Depp, mas fazia referência ao fato de que, ao se pronunciar publicamente sobre assédios sofridos, ela sofrera perseguição, com projetos profissionais sendo cancelados.

Em seguida, a atriz abriu um processo contra Depp, pedindo US$ 100 milhões. Ela o acusa de agressões e de comportamento violento. O ator tentou derrubar o caso, mas a justiça norte-americana manteve sua validade em março deste ano. Ao mesmo tempo, Depp abriu processo de difamação contra Heard, afirmando que suas acusações eram uma “farsa elaborada” e que ele havia sofrido agressões da parte da atriz.

O julgamento

O caso foi a julgamento, que teve início no dia 11 de abril e segue sendo realizado no estado da Virgínia, nos Estados Unidos.

Em seus argumentos iniciais, os advogados de Heard afirmaram que a atriz viveu um inferno durante seu casamento com Depp, que teria se revelado “um monstro por conta do consumo de drogas e álcool”, com ataques de raiva que levavam a agressões verbais, físicas e sexuais. Já os advogados de Depp iniciaram seu trabalho na corte afirmando que ela se comportava de forma violenta contra ele e que o processo movido pela atriz tinha como motivação uma vingança pessoal pelo fato do ator ter pedido o divórcio.

Irmão de Depp e terapeuta do casal depõem

Um dos primeiros depoimentos, no dia 12 de abril, foi o da irmã de Depp, Christi Dembrowski, que contou ao júri sobre os abusos sofridos por ela e o irmão na infância. Segundo ela, a mãe os agredia constantemente e, por conta disso, Depp seria incapaz de reproduzir esse comportamento. Em seguida, o tribunal ouviu a terapeuta do casal, Laurel Anderson, segundo quem havia “abuso mútuo” na relação do casal. “Ambos foram vítimas de abuso em suas casas. Acho que ele [Depp] se manteve sob controle por décadas até Heard ficar fora de controle e eles se envolverem no que chamo de abuso mútuo", afirmou, ressaltando que diversas vezes viu hematomas no rosto da atriz. “Sim, Depp saía para diminuir a intensidade da briga, ela bateu nele para mantê-lo ali porque preferia brigar do que ficar sozinha.”

O ator é ouvido

No dia 20, foi a vez de Johnny Depp depor. Ele afirmou que Heard o “destruía verbalmente” e que evitava brigas se trancando no banheiro. “Se eu ficasse para discutir, tenho certeza que escalaria para violência e muitas vezes isso acontecia. Em sua ira e sua raiva, ela atacava", acrescentou. "Começava com um tapa. Podia começar com um empurrão", afirmou Depp. Segundo o ator, após meses sóbrio, ele voltou a beber quando foi agredido pela mulher, que teria jogado nele uma garrafa de vodka - os estilhaços teriam cortado a ponta de seu dedo. Ele também negou ter agredido Heard

1Na sequência, foi a vez dos advogados de Heard interrogarem Depp. Eles mostraram mensagens de texto nas quais o ator chamava a atriz de “puta imunda” e afirmava o desejo de “queimar Amber”, além de dizer que após queimá-la faria sexo com ela para ter certeza de que estaria morta. Os advogados também o questionaram a respeito de seu problema com álcool e drogas, lembrando episódios de sua vida, como o contato com o cantor Marilyn Manson, com quem teria usado cocaína diversas vezes.

Prejuízos profissionais

O próximo a ser ouvido foi o agente de Depp, Jack Whigham, que testemunhou que o ator teria perdido importantes trabalhos por conta do artigo publicado por Heard no Washington Post. Segundo ele, “tornou-se impossível conseguir um filme de estúdio para ele”. Entre os prejuízos, estariam US$ 22,5 milhões que Depp deixou de ganhar quando foi cortado pela Disney para uma nova sequência de Piratas do Caribe.  Fora do julgamento, uma colunista do portal Rotten Tomatoes publicou artigo no qual afirma que, por conta do processo, a personagem de Heard em Aquaman 2 teve sua participação reduzida, aparecendo apenas 10 minutos no longa, que estreia em 2023.

Juíza mantém o julgamento

No início de maio, os advogados de Heard pediram que o caso movido por Depp fosse arquivado: segundo a defesa, após três semanas de julgamento, havia ficado claro que Depp não era capaz de provar que fora prejudicado pelo artigo no Washington Post. A juíza, no entanto, negou o pedido e afirmou entender que as evidências apresentadas eram suficientes para permitir que o caso prosseguisse

A atriz é ouvida

Amber Heard foi a próxima a testemunhar. No dia 4 de maio, afirmou ter sofrido violência física e agressões desde o primeiro encontro com Depp, em 2009. Ela também afirmou que sofre de transtorno de estresse pós-traumático por conta do comportamento de Depp, o que foi atestado por um psicólogo durante o julgamento. A atriz relatou diversos casos de violência e disse que Depp a agredia por conta de ciúmes. Em um desses episódios, ele a teria chamado de puta por conta de sua decisão de trabalhar em um filme com o ator James Franco - Depp acreditava que os dois teriam um caso. Ainda segundo Heard, apesar de “um milhão de promessas de ficar limpo e sóbrio", da terapia de casal e dos esforços de reabilitação, Depp sempre voltava a beber e usar drogas. Nesses momentos, continuou, o ator chegou a agredi-la sexualmente.

O julgamento está previsto para continuar até o final de maio.

Tudo o que sabemos sobre:
Johnny DeppAmber Heardcinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.