Jean-Paul Pelissier/AP
Jean-Paul Pelissier/AP

Almodóvar mais arriscado e cruel desconcerta Cannes

Diretor volta mais arriscado e moralmente complexo em 'A Pele que Habito'

EFE

19 de maio de 2011 | 14h33

O mistério de A Pele que Habito, o esperado filme de Pedro Almodóvar, já foi esclarecido em Cannes, onde o thriller foi recebido com aplausos e desconcerto diante de um retorno ao cinema mais arriscado e moralmente complexo de seu diretor.

Veja também:

documento 'O corpo me pedia para arriscar'

blog Mais sobre Cannes no blog do Merten

mais imagens Veja galeria de fotos do festival 

O cineasta surpreendeu um público dividido entre a fascinação de uma obra-prima escarpada e o assombro diante de um thriller obscuro que renuncia a um aspecto muito presente na filmografia de seu autor, a paixão, para se concentrar na vingança.

Baseado no romance Tarântula, de Thierry Jonquet, o filme se centra na "magnitude da vingança de um médico contra quem ele supõe ter estuprado sua filha", disse Almodóvar, que concorre pela quarta vez à Palma de Ouro com este filme no qual se reencontra com Antonio Banderas e que também tem no elenco Elena Anaya, Marisa Paredes e Roberto Álamo.

"Queria que a família do filme fosse muito selvagem, muito independente moralmente falando, que não tivesse tido a mesma educação que qualquer espanhol. Que sua cultura não estivesse baseada no castigo e no pecado como a cultura na qual eu nasci e vivi", disse o diretor.

Esse território sem referências de punição é composto por uma mãe "que leva a loucura em suas entranhas" e "dois filhos paralelos que são muito mais loucos que ela, extraordinariamente violentos e amorais", explicou.

Essa imoralidade é o fio narrativo ao qual Almodóvar se agarra com força, reinventado seu cinema e seu antigo ator favorito, Antonio Banderas. "Ser diretor de cinema é o mais parecido com Deus. O privilégio que ele tem de pôr de pé suas fantasias e de que haja uma equipe artística e técnica à sua disposição para torná-las realidade, é o máximo poder que se pode ter", afirmou.

Almodóvar, que sempre enche seu cinema de referências, desta vez apontou como principal inspiração Os Olhos Sem Rosto, de Georges Franju, considerando que o filme também é uma reflexão sobre arte e ciência.

"Há um enorme incógnita sobre para onde nos leva o fato de o ser humano poder determinar os elementos, as condições e as particularidades com as quais um novo ser irá nascer. A ciência nos colocará em um abismo, mas a arte sempre vai estar a ponto de iniciar algo para nos ajudar", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Pedro Almodóvar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.