AP Photo|Abraham Caro Marin, File
AP Photo|Abraham Caro Marin, File

Almodóvar cancela promoção de seu novo filme após Panama Papers

Irmão do diretor, Agustín, diz que nomes da dupla aparecem nos documentos por causa da sua falta de experiência no início da empresa

AFP

06 de abril de 2016 | 11h53

O cineasta espanhol Pedro Almodóvar não irá mais promover seu novo filme, Julieta, em meio ao escândalo dos chamados "Panama Papers", em que o nome do diretor aparece entre o de outras personalidades.

"Diante da prioridade de informação em temas alheios a Julieta, decidimos desconvocar o photocall e o junket previstos para a quinta-feira, 6, em Madri", informou a produtora dos irmãos Pedro e Agustín Almodóvar em comunicado.

Logo depois, o irmão do cineasta tranquilizou os jornalistas no Twitter: "Atenção as pessoas preocupadas pela promoção de 'Julieta'. Cancelamos um photocall pela pressão que sofremos. Mantemos as entrevistas".

O escândalo veio à tona no domingo, quando um grupo de jornais internacionais divulgou mais de um ano de pesquisas sobre 11,5 milhões de documentos vazados do escritório panamenho de advogados Mossack Fonseca que revelariam a suposta evasão fiscal realizada por políticos, atletas, artistas e empresários.

Entre as personalidades citadas figuram amigos do presidente russo Vladimir Putin, o cunhado do chefe de Estado Xi Jinping, o primeiro-ministro da Islândia Sigmundur David Gunnlaugsson - que renunciou por causa do escândalo -, o jogador de futebol argentino Leo Messi e os irmãos Almodóvar.

Segundo o jornal on-line espanhol El Confidencial, que publicou parte dos documentos, os Almodóvar eram donos de uma empresa com sede nas Ilhas Virgens Britânicas em 1991, embora não esteja claro se a sociedade chegou a ter algum capital.

Agustín Almodóvar afirmou em comunicado: "Desde os primeiros momentos da criação de El Deseo, Pedro e eu repartimos as tarefas e obrigações de uma forma muito clara. Eu fiquei encarregado de todos os assuntos referentes à gestão da empresa, e ele se dedicou a todos os aspectos criativos".

Agustín reconheceu que a empresa foi criada "diante de uma possível expansão internacional" de sua produtora de cinema. "Deixamos a sociedade sem atividade morrer porque ela não se encaixava com a nossa forma de trabalhar", acrescentou.

"Lamento profundamente o dano à imagem pública de meu irmão, provocado única e exclusivamente por minha falta de experiência nos primeiros anos de caminhada da nossa empresa familiar", afirmou.

E assegurou: "Tanto meu irmão Pedro como eu, assim como nossa produtora, nos encontramos em dia com todas as nossas obrigações tributárias".

Julieta, protagonizado pelas atrizes espanholas Emma Suárez e Adriana Ugarte, narra a história de uma mulher cuja filha vai embora inexplicavelmente de casa ao fazer 18 anos e não dá sinal de vida durante uma década.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.