AP
AP

Almodóvar assina manifesto a favor de dissidentes cubanos

Cineasta espanhol e escritor peruano Mario Vargas Llosa estão entre os mais de 5 mil que assinaram documento

EFE,

16 de março de 2010 | 15h42

Vários artistas, escritores e intelectuais espanhóis e latino-americanos, como o cineasta espanhol Pedro Almodóvar e o escritor peruano Mario Vargas Llosa, aderiram a um manifesto na internet pela liberdade dos presos políticos de Cuba.

 

Veja também:

linkIntelectuais partidários de Cuba contestam campanha do 'Yo acuso'

linkPrisões desumanas levam a greve de fome, diz ONG

link  Lula compara preso político a criminoso

blog O 'pedreiro radical' que desafiou o regime cubano 

blogEdmundo Leite: As 'insanidades' de Lula

blogMarcos Guterman: Lula enxovalha sua biografia

 

Os blogs Orlandozapatatamayo.blogspot.com e Firmasjamaylibertad.com/ozt/ publicaram um manifesto sob o lema "Orlando Zapata Tamayo. Eu acuso o Governo cubano". Até o momento, o documento já recebeu mais de 5,5 mil assinaturas.

 

Além de Almodóvar e Vargas Llosa, assinaram o documento escritores como o cubano estabelecido no México Rafael Rojas, o boliviano Edmundo Paz Soldán, os cubanos Abilio Estévez, Zoe Valdés e María Elena Cruz Varela, os mexicanos Jorge Volpi, Ángeles Mastretta e Carmen Boullosa, e o argentino Andrés Neuman.

 

Também aderiram ao manifesto a atriz cubano-venezuelana María Conchita Alonso, os músicos cubanos Willy Chirino e Paquito D' Rivera e famosos opositores do regime castrista, como a blogueira Yoani Sánchez, Vladimiro Roca, Carlos Alberto Montaner e Raúl Rivero.

 

O texto exige a libertação "imediata e incondicional de todos os presos políticos nas prisões cubanas". Também pede "o respeito ao exercício, a promoção e a defesa dos direitos humanos em qualquer parte do mundo".

 

Em outro trecho, os ativistas destacam "o decoro e a coragem de Orlando Zapata Tamayo, injustamente preso, brutalmente torturado nas prisões castristas e que morreu de greve de fome denunciando estes crimes e a falta de direitos e democracia em seu país".

 

O manifesto faz um apelo em prol do "respeito à vida dos que correm o risco de morrer como ele para impedir que o Governo de Fidel e Raúl Castro continue eliminando fisicamente seus críticos e opositores pacíficos, condenando-os a penas de até 28 anos de prisão por 'delitos' de opinião".

 

Segundo uma nota enviada à Agência Efe pelos organizadores, a adesão de Almodóvar "foi comunicada por sua produtora", enquanto os cantores Ana Belén e Víctor Manuel somaram seus nomes à campanha pela libertação dos presos políticos "preenchendo um formulário de inscrição".

Tudo o que sabemos sobre:
Almodóvar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.