Almodóvar apresenta "Hable com Ella"

Pedro Almodóvar, um dos nomes mais importantes do cinema espanhol apresentou em Madri seu último filme Hable com Ella (Fale com Ela), considerado por ele um ?filme dramático sem ser trágico e uma demonstração de independência depois de ter conquistado o Oscar de 2000 com o emocionante e dramático Tudo Sobre Minha Mãe?. Em seu 14.º filme, Almodóvar, aos 52 anos, lançou seu novo filme em Madrid ontem, surpreendento ao eleger como protagonistas atores com quem nunca havia trabalhado, como o argentino Darío Grandinetti, o ator espanhol Javier Camara, muito conhecido por seus trabalhos em televisão, a cantora Rosario Flores, filha de Lola Flores, além da atriz Leonor Watling.Almodóvar confessou, durante entrevista coletiva, que pensou em convidar Roberto Benigni para o papel de Javier Camara, declarando-se grande admirador do ator e diretor italiano. Benigni também ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro de 1999, por A Vida É Bela. Mas, Almodóvar conseguiu incluir na trilha sonora a interpretação da canção Cucurrucucu Paloma por Caetano Veloso, "um sonho que queria realizar desde que o vi cantá-la cinco anos atrás, no Brasil?, contou. Mistura ainda em seu filme um outro, mudo, de sete munutos, em branco-e-preto Amante Menguante. Hable con Ella é uma história ?sobre a amizade de dois homens, sobre a solidão, sobre a palavra para fugir da solidão, sobre a incomunicabilidade dos casais, sobre a loucura?, disse o diretor.É o primeiro de uma nova trilogia. Ele disse que fez uma trilogia inconsciente com A Flor de Meu Segredo, Carne Trêmula e Tudo Sobre Minha Mãe.Dois homens cuidam de duas mulheres em coma: Benigno (Javier Camara) é um jovem enfermeiro que se ocupa de Alicia (Leonor Watling) há quatro anos, una bailarina; e Marco (Dario Grandinetti), jornalista e escritor de roteiros de viagens, cuida de Lydia (Rosario Flores), uma mulher toureira que recebeu uma corneada de um touro. Entre as paredes de uma clínica discorre a vida dos quatro personagens. Almodóvar se inspirou em duas histórias reais: uma mulher norte-americana que despertou de um coma depois de 16 anos e um jovem guarda noturno da Romênia que violenta uma mulher aparentemente morta, mas que na realidade sofre de catalepsia, e desperta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.