Sony
Sony

‘Alguém Avisa?’, com Kristen Stewart, leva a temática LGBTQIA+ para as comédias românticas

Filme com outro olhar sobre o Natal chega diretamente às plataformas de streaming

Mariane Morisawa, Especial para o Estadão

22 de dezembro de 2020 | 05h00

A atriz e diretora Clea DuVall cresceu vendo comédias como Férias Frustradas de Natal e Esqueceram de Mim e comédias românticas tradicionais. Quando chegou a hora de fazer seu segundo longa, ela resolveu unir seu amor por esses tipos de filme com a representatividade LGBTQIA+ – DuVall é abertamente homossexual. “Nesse tipo de produção, os personagens gays são sempre coadjuvantes, eles nunca têm suas próprias histórias”, disse DuVall em entrevista ao Estadão. “Então parecia uma grande oportunidade contar uma história universal de uma nova perspectiva.”

Assim nasceu Alguém Avisa?, que chega ao Brasil diretamente nas plataformas digitais de compra e aluguel, por causa da pandemia. No filme, Abby (Kristen Stewart) e Harper (Mackenzie Davis) estão num relacionamento sério. Abby não curte muito o Natal desde que perdeu seus pais. Mas Harper acaba convencendo a namorada a passar a data com a sua família – o pai Ted (Victor Garber), que tenta um cargo político, a mãe Tippy (Mary Steenburgen) e as irmãs Sloane (Alison Brie) e Jane (Mary Holland). Mas só no meio do caminho vem a revelação de que não apenas sua família não sabe que Abby é sua namorada como nem tem conhecimento de que Harper é gay. 

A primeira coisa que Mackenzie Davis fez foi perguntar a DuVall se não haveria problema interpretar a personagem já que ela mesma não faz parte da comunidade LGBTQIA+. “Também quis saber se deveria conhecer ou estar sensível a alguma coisa especificamente, mas ela me disse que não, que eu estava fazendo apenas uma pessoa apaixonada”, disse a atriz. 

No caso de Kristen Stewart, era diferente. A atriz se declara bissexual. “Mas minha experiência queer não mudou em nada minha interpretação”, contou. “Como a Mackenzie disse, são duas pessoas apaixonadas. E o filme está dizendo que amor é amor.” 

Amizade no set

Para Stewart, o desafio realmente era arriscar-se num gênero que pouco explorou em seus 20 anos de carreira: a comédia. “Foi algo diferente, e eu fiquei um pouco intimidada”, contou. “Especialmente por conta do nível dos talentosos atores de comédia do elenco. Mas fui ficando mais relaxada com o tempo”, completou ela, referindo-se a Steenburgen, Brie, Holland, mas também Dan Levy (vencedor de quatro Emmys por Schitt’s Creek), que faz o melhor amigo de Abby. Só que o elenco se deu tão bem que isso não foi problema. “Assim que conheci a Kristen, fiquei determinada a me tornar sua amiga”, disse Mackenzie Davis. Não foi preciso fabricar nenhum tipo de química entre as duas. “Nós ficávamos juntas o tempo inteiro”, contou Stewart. Segundo a diretora, os atores estavam tão enturmados que acabaram causando distrações. “Eles faziam joguinhos e brincadeiras, eram bastante barulhentos. Mas no fim eu vi como aquilo tudo era legal.”

Stewart também ficou mais tranquila porque as situações mais engraçadas acontecem com os outros personagens. “E fiz a séria, aquela que observa tudo e reconhece o absurdo dessa família.” Foi algo saído diretamente da experiência de Clea DuVall, que passou a maior parte dos Natais com as famílias dos outros. “Eu me identifico com a personagem da Kristen. É sempre engraçado quando você participa de reuniões familiares que não são suas, eu vejo muito humor nesses momentos.” 

A ótica da comédia é uma boa maneira de abordar a dificuldade de sair do armário e admitir seu verdadeiro eu para si próprio ou a família, para Mackenzie Davis. “Alguns segmentos marginalizados da sociedade só têm suas histórias contadas em forma de tragédia”, disse a atriz. “E eu acho que isso traumatiza novamente pessoas que já foram excluídas das conversas mainstream. Então temos de contar histórias queer que não vivem só no espaço do drama e da tragédia. Essas pessoas – e gente de outras minorias também – têm uma experiência holística do mundo, que pode ser representada na comédia, no drama, no terror. Então estava mais do que na hora de um filme de Natal sobre duas mulheres apaixonadas.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.