Netflix/Divulgação
Netflix/Divulgação

Alfonso Cuarón leva cinco prêmios Platino com 'Roma'

Entre os títulos, estão melhor filme ibero-americano do ano e melhor diretor

Eduard Ribas i Admetlla, EFE

13 de maio de 2019 | 12h38

Após ter ganhado o Oscar, o Bafta e o Goya, neste domingo foi a indústria ibero-americana de cinema que premiou Roma, do mexicano Alfonso Cuarón, com cinco Platinos, incluindo o de melhor filme e melhor diretor. Roma era o grande favorito da VI edição do Prêmio, realizada na Riviera Maya, no México. 

O filme levou também o Platino de melhor roteiro, melhor direção de fotografia e melhor direção de som.

Embora Cuarón não tenha participado da festa, o produtor Nicolás Celis agradeceu o prêmio de melhor filme em seu nome e declarou: "Viva o cinema, vivo o México e muito mais cinema de qualidade para todos".

Roma, filme autobiográfico de Cuarón, retrata a vida de uma família de classe média do México da década de 1970 e a relação que tem com sua empregada doméstica, Cleo, uma indígena interpretada pela aclamada Yalitza Aparicio.

A produção de Cuarón ganhou este ano o Oscar de melhor filme estrangeiro, melhor fotografia e melhor direção, consolidando o reconhecimento e o sucesso dos diretores mexicanos no maior prêmio do cinema mundial.

Além disso, fez história ao ser indicado pela academia de Hollywood tanto a melhor filme como a melhor filme estrangeiro, e abriu um forte debate sobre o papel dos indígenas na sociedade mexicana graças à interpretação magistral de Yalitza.

No entanto, nem Yalitza nem Marina de Tavira, ambas indicadas a melhor atriz por Roma, levaram a estatueta, que foi para a paraguaia Ana Brun, por sua participação em As Herdeiras.

Brun, que estava retirada dos palcos, ganhou por este filme o Urso de Prata de melhor atriz na Berlinale e isto representou para ela um salto ao estrelato, após uma trajetória centrada sobretudo no teatro.

Este filme dirigido por Marcelo Martinessi relata a história de duas mulheres descendentes de famílias ricas que começam a perder a sua fortuna e se veem envolvidas em uma fraude.

Ao receber a estatueta, a paraguaia dedicou o prêmio aos atores e produtores do seu país que trabalham "com poucos recursos, mas com muito talento".

A Espanha também deixou uma marca profunda nesta edição do Platino com o prêmio de melhor ator para Antonio de la Torre, protagonista do O Reino, e o de melhor série de televisão, que foi para Arde Madrid, de Paco León e Anna R. Costa.

"É a terceira vez que venho ao México, espero que haja mais e que seja para trabalhar", disse De La Torre ao receber a estatueta.

Antes, no tapete vermelho, o ator espanhol explicou à Efe que Uma Noite de 12 Anos, que também protagoniza e aborda a repressão sofrida por Pepe Mujica durante a ditadura uruguaia, é "uma história universal, porque fala de coisas profundas do ser humano".

Arde Madrid, que narra a vida da atriz Ava Gardner durante a sua residência em Madri nos anos 60, bateu um grande rival, a bem-sucedida comédia mexicana A Casa das Flores.

"Este projeto foi difícil e intenso, mas também gratificante. Obrigado à Movistar+, isto demonstra que há vida depois da Netflix", disse Paco León, codiretor da série, ao receber a estatueta.

O México levou as estatuetas de melhores interpretações de série de televisão, que foram para Diego Luna, de Narcos: México, e para Cecilia Suárez, de A Casa das Flores, que também era a apresentadora da festa junto com o espanhol Santiago Segura.

Campeões, prêmio Goya de melhor filme deste ano, levou o Platino educação em valores por abordar as incapacidades intelectuais, enquanto o melhor documentário foi para a também espanhol O Silêncio dos Outros, sobre a luta pela justiça das vítimas do franquismo.

O prêmio de melhor filme de animação foi dado ao espanhol Un Día más con Vida, dirigido por Raúl de la Fuente, enquanto os prêmios de melhor trilha sonora e direção de montagem foram para os também espanhóis Yuli e O Reino.

Um dos momentos mais emocionantes da noite foi quando o ator mexicano Tenoch Huerta emocionou Yalitza Aparicio ao oferecer-lhe uma dália como mostra da sua admiração.

Em seguida, ambos os atores pediram que as pessoas presentes dessem as mãos e as levantassem como símbolo de companheirismo entre os homens e as mulheres envolvidas no mundo do cinema.

Mas o tom habitual da festa foi o humor, com brincadeiras do espanhol Santiago Segura para um evento que se manteve mais afastado das manifestações políticas do que em vezes anteriores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.