Alec Baldwin deixa político de lado em 'Lymelife'

Se o ator Alec Baldwin algum dia secandidatasse a um cargo político, ele diz que talvez mudasseseu nome para algo mais étnico. "Vou mudar meu nome para um que soe muçulmano", brincou. Mas, falando a sério, Baldwin -- que esta semana está emToronto com seu novo filme, "Lymelife" -- disse que o governonorte-americano é comandado há anos por homens de ascendênciaanglo-saxã, como Jimmy Carter, Gerald Ford e Ronald Reagan. O ator, que já falou abertamente de suas aspiraçõespolíticas no passado, disse que este ano os eleitoresnorte-americanos parecem estar abertos para idéias novas, masque não tem certeza de como ele se encaixaria nisso. Baldwin, 50 anos, costuma expressar suas opiniões sobretemas como o meio ambiente, controle de armas e reformafinanceira das campanhas. Ele causou especulações sobre umapossível carreira política este ano quando disse a umentrevistador do programa "60 Minutes" que poderia cogitar issoalgum dia. Ele observou que a idéia do ex-ator Arnold Schwarzeneggervirar governador da Califórnia foi vista como tolice até eleganhar o apoio do Partido Republicano. Por enquanto, porém, Baldwin está focado em seu trabalhocomo ator. Nos últimos anos ele vem sendo elogiado pelo papelcômico do executivo de TV Jack Donaghy no seriado "30 Rock". E ele encontrou tempo para atuar no filme de orçamentopequeno "Lymelife", que estreou segunda-feira no FestivalInternacional de Cinema de Toronto. O filme acompanha duas famílias em Long Island nos anos1970, durante um surto da doença mortal de Lyme. Baldwin faz o mulherengo Mickey, que sonha em virarmilionário imobiliário. Ele se esforça para ser um bom pai para seus dois filhos,representados pelos irmãos na vida real Rory e Kieran Culkin, etem dificuldades em seu casamento. Os meninos sabem que Mickey trai sua mãe, mas eles tambémamam seu pai e vêem que sua mãe tem seus problemas próprios. O filme explora relações familiares de todos os tipos --entre pais e filhos, marido e mulher e irmãos -- e incluielementos de drama e comédia. "Lymelife" levou anos para encontrar financiamento, masBaldwin e outros continuaram a apoiar o diretor Derick Martini,em parte porque viam a história como sendo muito real ehonesta. É o primeiro longa-metragem do diretor, que ganhoureputação de cineasta promissor no festival de Toronto em 1999com seu "Goat on Fire and Smiling Fish", que ele co-escreveu,produziu e no qual atuou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.