Alckmin libera R$ 4,8 mi para o cinema

Na quinta-feira passada, depois deum período sem ações efetivas no setor, o governo do Estado deSão Paulo anunciou uma boa nova para o cinema paulista - umpouco abatido pela decisão da Prefeitura de não aprovar acriação da Fundação Centro de Cinema de São Paulo (Cecim). Ogovernador Geraldo Alckmin, em cerimônia no Palácio dosBandeirantes, anunciou para 50 cineastas a liberação de recursosda ordem de R$ 4,8 milhões para a finalização de filmes.Estiveram presente no evento, entre outros, Beto Brant,Marcelo Masagão, Alain Fresnot, Hector Babenco, Roberto Gervitz,Anibal Massaini, Ugo Giorgetti e Paulo Betti.O mecanismo de repasse dos recursos é insólito: os bancos NossaCaixa e Santander Banespa investirão, respectivamente, R$ 2milhões e R$ 2,8 milhões nos filmes. O percurso é que éinusitado: os bancos comprarão espaço publicitário na TV Cultura(fundação ligada ao Estado), que repassará o dinheiro para osprodutores cinematográficos."A emissora cede gratuitamente o espaço publicitário em trocado investidor dar o dinheiro para o cinema", explica MarcosMendonça. "E o espaço publicitário terá um teor cultural, seráalgo ligado ao próprio filme incentivado." E a TV Cultura, oque ganha? "Muitos desses filmes eram produções que já tinhamcontrato com o programa PIC-TV (Programa de Integração Cinema eTelevisão, inativo desde 2001), pelo qual o Estado e a TVCultura estimulavam a produção cinematográfica", explica osecretário, que integra o Conselho da Fundação Padre Anchieta(mantenedora da TV Cultura).O PIC-TV, que chegou a estimular a produção de cerca de 50filmes no Estado, foi suspenso pelo governo do Estado em abrilde 2001. Dois Córregos, de Carlos Reichenbach, foi uma dasproduções que receberam estímulo. Um dos mecanismos do projeto,o mais atrativo, consistia na contrapartida da TV Cultura, quetinha primazia em exibir na televisão os filmes que ajudasse aproduzir.Interessante também é a volta do Banespa, hoje Santander Banespa, ao estímulo ao cinema. Quando foi comprado, o então estatalBanespa deixou uma lista de 124 projetos cinematográficosaprovados esperando em banho-maria para ver qual seria adisposição do seu novo proprietário, o Banco Santander CentralHispanico (BSCH), em relação à cultura.O Banespa era um grande incentivador antes da privatização.Desde 1994, quando começou a financiar projetos por meio da Leido Audiovisual, o Banespa apoiara cerca de 50 filmes. Entre eles, produções que concorreram ao Oscar, como O Quatrilho e OQue É Isso, Companheiro?. Também era pelo Banespa que osrecursos chegavam ao PIC-TV.A lista de filmes que devem receber os recursos na primeira fasedo programa lançado na semana passada pelo governador Alckmin éa seguinte:Aurélia Schwarzenêga (Carlos Reichenbach),Jogo Subterrâneo (Roberto Gervitz),Anabel (Sérgio Martinelli),Veias e Vinhos (João Batista de Andrade),Sonhos da Cidade (Carlos Alberto Ricelli e Bruna Lombardi),Carandiru (Hector Babenco),Os Desvalidos (Francisco Ramalho),Cafundó (Paulo Betti),Lo Kukaracho (Ikaro Martins),Rei Pelé (Anibal Massaini),Hotel Atlântico (Suzana Amaral),O Cangaceiro (Anibal Massaini),Gaijin 2 (Tisuka Iamasaki),1,99 - Império das Nebulosas (Marcelo Masagão),A Ilha do Terrível Rapaterra (Raiz Produções),Desmundo (Alain Fresnot),Lara (Ana Maria Magalhães),Cabra Cega (Toni Venturi),Quando os Corações se Encontram (José Roberto Torero),Quanto Vale ou É por Quilo (Sérgio Bianchi),Amor e Outros Objetos Pontiagudos (Beto Brant),Goleiro (Cao Hamburguer),Brasil de Villas Boas (Nilson Villas Boas),Olga (Jaime Monjardim),Tarsila (Rodolfo Nanni),Trem das Onze (Walter Caira),Fora do Figurino (Paulo Pélico).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.