Alan Parker critica a pena de morte em novo filme

Alan Parker volta a cutucar a ferida americana com seu novo thriller. O inglês, conhecido tanto por filmes polêmicos (O Expresso da Meia-Noite, Mississipi em Chamas), quanto por musicais(Fama e Evita), analisa a pena de morte em A Vida deDavid Gale. Estrelado por Kate Winslet e Kevin Spacey, aprodução é um dos mais intrigantes exercícios de crítica à penacapital produzida por Hollywood. É o primeiro filme de Parker em quatro anos.Em uma surpreendente trama que não tem nada a ver comOs Últimos Dias de um Homem, de Tim Robbins, Spacey faz opapel de um professor universitário do estado americano do Texasque é condenado à morte pelo suposto assassinato de uma mulher.O mistério aumenta por conta do envolvimento do personagem comum grupo de militantes contrários à pena de morte.Kate Winslet vive uma repórter convidada para entrevistar Gale emseus três últimos dias de vida. Ao final do primeiro dia, elacomeça a desconfiar que ele possa ser inocente, mas a históriaque se segue vai muito além do óbvio "jornalista-salva-condenado-à-morte-no-último-minuto". A trama, recapitulada por meio da investigação da personagem da repórter, impressiona principalmente por ser o trabalho de um roteirista estreante, Charles Randolph."Quando recebi o roteiro fiquei muito admirada, poisera a primeira versão de uma pessoa que nunca havia feito umscript antes", disse Winslet em entrevista exclusiva à PlanetPop. "E estava tudo lá, foram feitas pouquíssimas adições." Aatriz, que fez uma série de papéis diversificados desde oestouro de Titanic, disse que também aceitou o trabalho porconta do diretor. "Quando soube que Alan Parker era o diretor,tentei fazer tudo o que podia para entrar no elenco", diz.Parker é um dos grandes ativistas contra a pena de morteem Hollywood, tendo dedicado quase 20 anos à causa. Ele garante,no entanto, que o filme não é um veículo político. "É umahistória sobre pessoas que vão a extremos por conta de suasposições e, por isso mesmo, é completamente imparcial", diz odiretor, em um ensaio distribuído no lançamento da fita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.