Al Gore se destaca no Oscar com discurso sobre clima

Al Gore dominou a entrevista coletiva acontecida logo depois da vitória do filme Uma Verdade Inconveniente como melhor documentário de longa-metragem. Ao ser chamado de presidente, Gore provocou risos ao olhar para trás, procurando a pessoa a quem iria a pergunta. "Não pretendo mais me candidatar", disse ele, que foi vice-presidente durante o governo de Bill Clinton e candidato derrotado por George W. Bush. "Estou envolvido em diversos projetos a respeito do problema global do clima, por isso não penso em agora em política", justificou ele, agradecido pelo fato de Hollywood ter despertado tamanho interesse ao tema do filme. Para Gore, o documentário mostra que o problema não é meramente político, mas ao alcance de qualquer pessoa. "É importante que cada um faça seu papel e não espere apenas por atitudes governamentais." Mesmo assim, a atitude das nações é cobrada por Gore. Segundo ele, países como Índia e China precisam tomar uma atitude em prol do bem estar global. "É claro que falo também dos Estados Unidos, que necessitam assumir a liderança e responsabilidade." Ao terminar a entrevista, Gore dispensou a diplomacia e vibrou abertamente com a vitória de Melissa Etheridge, na categoria de melhor música original, derrubando as favoritas de Dreamgirls - Em Busca de Um Sonho. Na cerimônia de premiação, Gore subiu ao palco com o ator Leonardo DiCaprio para falar sobre o "Oscar ecológico". O ex-vice-presidente anunciou: "Temos prazer em dizer que, pela primeira vez na história, o Oscar ficou ecológico, isto é, práticas ecológicas foram integradas do prêmio". DiCaprio também se pronunciou, evidentemente: "Ainda há muito o que fazer. Por favor, visite o site do Oscar para saber como ajudar. O tempo é curto, mas estou orgulhoso de estar aqui junto ao líder inspirador para lutar contra o aquecimento global".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.