Advogados falam do caso Downey Jr.

Os advogados de Robert Downey Jr., o ator que chegou a ser indicado ao Oscar por Chaplin, disseram que não puderam chegar a um acordo com os procuradores sobre a acusação de posse de drogas que enfrenta o ator, abrindo caminho para um processo que poderá enviá-lo de volta ao cárcere por cerca de cinco anos.Após adiar por duas vezes as audiências, o juiz da Corte Superior B.J. Bjork marcou para o dia 30 de abril uma audiência preliminar sobre o caso. O prazo foi dado aos advogados de Dowley para que chegassem a um acordo com os procuradores. Depois da audiência preliminar, o juiz decidirá se as provas são suficientes para indiciar Downey pelo porte de cocaína e do tranqüilizante Valium, apreendidos em uma busca em um hotel de Palm Springs, no dia 25 de novembro. Isso aconteceu apenas três meses depois do astro ter deixado uma prisão na Califórnia onde passou um ano, também por causa de drogas. Downey, que atualmente atua na série de tevê Ally McBeal, não assistiu à audiência de terça-feira, mas deverá comparecer à próxima. Daniel Brookman, o advogado do ator, disse na saída do tribunal que as conversações foram rompidas porque os procuradores insistem em que o ator seja encarcerado ou permaneça internado em alguma instituição, ou seja, não abrem mão de algum tipo de privação da liberdade do ator, segundo Brookman. Os advogados tentavam chegar a um acordo que permitisse ao ator continuar trabalhando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.