Elelyn Hockstein/AFP
Elelyn Hockstein/AFP

Advogados de Johnny Depp dizem que Amber Heard agiu por vingança

Eles disseram, no primeiro dia do novo julgamento por difamação, que a atriz acusou Depp de violência doméstica após ele dizer que queria o divórcio

Redação, AFP

14 de abril de 2022 | 10h08

Os advogados de Johnny Depp desmentiram nesta quarta-feira , 13, a versão de Amber Heard, que afirma ter sido vítima de violência doméstica por parte do ex-marido em 2016, poucos dias antes de pedir o divórcio.

O ex-casal se acusou mutuamente de difamação durante o julgamento em Fairfax, perto de Washington, por uma coluna da atriz publicada no Washington Post em 2018.

No texto, Amber Heard se descreveu como uma "vítima de violência doméstica" assediada pela sociedade depois de quebrar seu silêncio dois anos antes.

Em seu artigo de opinião, a atriz de 35 anos não cita Johnny Depp, 58, com quem se casou em 2015, mas menciona as acusações de violência doméstica que apresentou contra ele em 2016.

Nesta quarta-feira, 13, o julgamento se concentrou no dia 21 de maio de 2016. Naquela noite, Amber Heard afirma que o ator de Piratas do Caribe jogou um telefone celular em seu rosto.

A polícia interveio à noite, mas não redigiu um boletim de ocorrência.

Dias depois, Heard compareceu ao tribunal em Los Angeles com um hematoma no rosto para solicitar uma ordem de restrição e iniciar o processo de divórcio.

Mas Isaac Baruch, amigo de longa data de Johnny Depp que morava no prédio do casal em Los Angeles, disse em depoimento que nunca viu nenhum sinal de violência.

No dia seguinte ao suposto ataque, Baruch encontrou Amber Heard no corredor.

"Ela me disse: 'ele jogou um telefone em mim e me bateu'", lembrou o artista, amigo do ator desde 1980, que pagava seu aluguel e parte de suas despesas.

"Olhei para a testa dela, para o lado do rosto, para a bochecha, para o pescoço, para o outro lado do rosto, e não vi nada", descreveu, garantindo que a havia beijado na bochecha supostamente atingida pelo celular sem que a atriz demonstrasse qualquer reação de desconforto.

Em 23 de maio, Baruch voltou a cruzar com Heard e não notou "vermelhidão, bolhas, hematomas, cicatrizes" e que viu a atriz entrar no apartamento com uma maquiadora que trabalha para o casal.

Quatro dias depois, ele soube pela imprensa que a atriz pediu o divórcio ao ver fotos dela "com essa marca marrom no rosto", lembrou.

Ainda segundo o amigo de Depp, em 3 de junho, Amber Heard comentou: "Eu disse a Johnny que não queria nada. Foram os advogados que me pressionaram a fazer tudo isso".

Os advogados de Johnny Depp afirmam que Amber Heard acusou o marido de violência doméstica por vingança, após ele dizer que queria o divórcio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.