Advogado pede proibição de filme de Gibson para menores

O filme A Paixão de Cristo, de Mel Gibson, nem estreou no Brasil e já causa polêmica. O advogado Jacob Pinheiro Goldberg encaminhou nesta terça-feira ao Secretário Nacional de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, uma carta pedindo a proibição do filme para pessoas com menos de 18 anos ou a restrição quanto ao horário de exibição. "A obra é repulsiva, não é para estômago de quem tem dignidade", afirmou. "É um filme medíocre."A produção, que retrata as últimas horas de vida de Jesus, é acusada por autoridades judaicas americanas de apologia ao anti-semitismo. O Ministério da Justiça informou que o filme, com estréia prevista para o dia 19, foi classificado como apropriado para pessoas com 14 anos ou mais. O ideal, segundo o advogado, seria que o longa nem fosse exibido no País, pois a Constituição proíbe atitudes anti-semitas. "Para uma criança, as cenas podem criar revolta, medo, indignação e até um sentimento de desamparo", disse Goldberg.A Secretaria Nacional de Direitos Humanos informou desconhecer o envio da carta de Goldberg. O Ministério da Justiça também afirmou não ter recebido requerimento para proibição. A pasta, porém, não tem poderes para impedir a exibição. Tal medida pode ser determinada apenas pela Justiça, a pedido do Ministério Público Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.