Tom Jamieson/The New York Times
Tom Jamieson/The New York Times

Adaptações de Irvine Welsh mostram que a vida fede nesse mundo cruel

Capitaneados por 'Trainspotting', filmes baseados em romances do escocês mostram lado degradado do mundo

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

12 Março 2018 | 06h00

Bastariam os dois filmes que Danny Boyle adaptou de Irvine Welsh, Trainspotting Sem Limite e T2 – Trainspotting, para colocar na tela a singular expressividade do universo do escritor escocês. Mas ainda tem Filth, Ecstasy, Dockers e The Acid House. Welsh deu seu testemunho vivo sobre a geração química. Sem Limite marcou época não apenas por abordar o tema, mas por procurar e ter encontrado a melhor forma de abordá-lo. Desde meados dos anos 1940, com o alcoólatra de Farrapo Humano, de Billy Wilder, o cinema já buscava formas para espelhar/expressar a dependência.

+++Em novo 'Trainspotting', música do Iggy Pop é uma lembrança ardida

+++Com 'Skagboys', Irvine Welsh constrói romance em alta voltagem

Wilder foi expressionista, Boyle, mais surreal. Continuou sendo quando, 21 anos mais tarde, em T2, reuniu de novo aqueles amigos descompensados do submundo de Edimburgo – Renton, Sick Boy, Begbie, Bud. Com base na literatura, um cinema sem medo de ser sujo, sórdido, mas também patético, humano, divertido. A vida e as pessoas sem ilusões, como são – somos? Os demais filmes não repercutiram tanto, mas o discurso não muda. 

Filth, de Jon S. Baird, com James McAvoy, é sobre um policial drogado, bipolar, viciado em sexo e violência, disposto a tudo para obter uma promoção, porque acredita que só assim poderá recuperar sua família. Ecstasy, de Rob Heydon, é sobre essa mulher tão insatisfeita com seu casamento de classe média que embarca numa ligação com um drogado, sem nunca se perguntar se eles passam a depender um do outro como ele já depende do ecstasy.

Life sucks, a vida fede. The Acid House, de Paul McGuigan, baseia-se em histórias curtas do escritor para mostrar que, no mundo degradado de Edimburgo – sempre! –, a única forma de sobreviver é sendo cruel. Não há espaço para a ternura. São três histórias e, na segunda, a mulher adúltera que já fez sexo com todos os convidados de seu casamento e os moradores do prédio geme na cama com o novo vizinho enquanto o marido cuida do filho no andar de baixo. O mais light talvez seja Dockers, de Bill Anderson, no qual Irvine Welsh tem o crédito de coautoria do roteiro, mas foi escrito por trabalhadores das docas de Liverpool, baseados nas próprias experiências.

Mais conteúdo sobre:
Irvine Welsh cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.