Divulgação
Divulgação

Nova adaptação de ‘O Pequeno Príncipe’ chega aos cinemas no Anima Mundi

Diretor Mark Osborne veio ao Brasil apresentar seu filme adaptado do aclamado romance de Antoine de Saint-Exupéry

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

17 Julho 2015 | 03h00

Há uma overdose de animações nos cinemas brasileiros - e paulistas -, neste momento. Desde animações mainstream, como Divertida Mente, o novo filme da Pixar, e Minions, o preferido das crianças, até animações mais alternativas como Kiriku e os Homens e as Mulheres, do francês Michel Ocelot, e O Conto da Princesa Kaguya, do japonês Isao Takahata. Como se não bastasse isso, e já é muito, começa nesta sexta, 17, a etapa paulista do Anima Mundi, grande vitrine da animação no País. Dentro do Anima Mundi, haverá nesta sexta uma pré-estreia muito especial.

O próprio Mark Osborne veio ao Brasil para lançar O Pequeno Príncipe, que adaptou do livro cultuado de Antoine de Saint-Exupéry. A estreia, propriamente dita, num circuito que ainda está sendo arranjado, mas será grande, está apontada para 20 de agosto. O Pequeno Príncipe teve sua estreia mundial no Festival de Cannes, em maio. Sua exibição foi precedida pela de Divertida Mente, de Pete Docter e, após o sucesso da animação da Pixar - que foi aplaudida de pé -, havia o temor de que O Pequeno Príncipe viesse a ser um anticlímax. Afinal, outra animação e agora adaptada de um livro que já tivera uma versão live action insatisfatória... Havia motivos para apreensão. Deu tudo certo.

Entrevistado em Cannes, Osborne confessou que tudo isso pesou muito, e quando os produtores lhe propuseram o filme, sua primeira resposta foi um sonoro ‘Não!’. Mas eles insistiram e Osborne começou a pensar que, se o desafio era imenso, a chance de adaptar um livro tão amado (e também tão polêmico, leia por quê) era grande demais para ser desperdiçada. E aceitou. O convite e a aceitação ocorreram em 2010. A estreia mundial foi fixada em 2015. Passaram-se cinco anos de muito trabalho e O Pequeno Príncipe não apenas ficou pronto como fez bela figura no tapete vermelho de Cannes. E agora desembarca no Brasil, via Anima Mundi. Adorável público, o pequeno príncipe está chegando. Ei-lo que surge envolto na sua aura diáfana de extraterrestre que habita um asteroide longínquo. Mas não chega sozinho, e essa é a surpresa da adaptação. Para ser fiel a Saint-Exupéry, Osborne envelopou a história do Pequeno Príncipe numa história maior.

O livro surgiu em 1943, um ano antes do desaparecimento do autor, que também era piloto, num voo sobre a Córsega. A história e o personagem começaram a nascer quando Saint-Exupéry sofreu um acidente e seu avião fez um pouso de emergência no Saara. Foi no deserto que ele teve o insight. A palavra em inglês cabe porque o livro, propriamente dito, foi escrito nos EUA. O piloto encontra, no meio do nada, o garoto. Ele é loiro, veste-se bizarramente e conta que é o único habitante de um asteroide distante. Saint-Exupéry não fez apenas poesia em prosa. Acompanhou sua história de ilustrações - aquarelas que ele mesmo pintou. O primeiro desenho, todo leitor do livro sabe, reproduz o que parece um chapéu, mas não. É o desenho de uma jiboia que engoliu um elefante. Saint-Exupéry prepara o leitor, infantil ou adulto, para ingressar num universo não realista.

“Eu conhecia o livro muito bem. Quando eles (os produtores) me propuseram a adaptação, achei que seria impossível fazer uma que fosse fiel. Mas, depois, pensei como o material era bom e que seria tolice desperdiçar a chance.” Mark Osborne é de New Jersey. Por que um norte-americano, se o livro é de um francês? “O Pequeno Príncipe é universal”, ele diz. Osborne já colhera na DreamWorks o megassucesso Kung Fu Panda. E, dessa vez, a dupla ousadia é que a proposta não era só de adaptar um livro cultuado, mas também fazê-lo de forma independente, longe do guarda-chuva protetor de um grande estúdio.

“Tivemos de desenvolver a nossa estrutura. Foi como construir os trilhos com o trem já andando, e isso foi assustador. Fiquei um bom tempo com aquele friozinho na barriga, me perguntando se ia dar certo e depois me convencendo de que, sim, ia dar certo. A vantagem de se construir uma estrutura é que você inventa. No livro, o próprio Saint-Exupéry nos convida a imaginar.” Antoine-Jean-Baptiste-Marie-Roger Foscolombe de Saint-Exupéry foi um escritor, ilustrador e piloto francês, terceiro filho do conde Jean de Saint-Exupéry e da condessa Marie Foscolombe. Apaixonado por mecânica desde criança, resolveu ser piloto. Entrou para a Societé Latecoère, que se tornou conhecida como Aéropostale. Fez a linha Toulouse/Casablanca/Dacar, voando sobre o deserto na equipe de pilotos lendários como Mermoz e Guillaumet. Suas experiências inspiraram livros como Correio do Sul e Terra dos Homens. E, aí, veio O Pequeno Príncipe. 

No Brasil, houve uma época em que virou moda escarnecer de Saint-Exupéry e de seu personagem. É que no livro ele encontra a Raposa, a Serpente. Aprende coisas - que o essencial é invisível para os olhos e “Você é responsável por aquilo que cativa”. São pensamentos profundos, mas, banalizados, viraram o livro de cabeceira das misses nos anos 1950. Nos 70, o cinema já tentara uma primeira adaptação, em formato de musical, mas embora o diretor fosse o ótimo Stanley Donen, não funcionou. As canções não ajudavam, havia só um grande número - com Bob Fosse como Serpente. Na entrevista em Cannes, Osborne admitiu que o desafio foi transformar as delicadas ilustrações do livro em figuras tridimensionais. “Uma ideia passou a me perseguir - a de que, para ser fiel ao original, eu deveria me distanciar um pouco dele.” E surgiu essa história de uma garota que troca de vizinhança, como a de Divertida Mente, e descobre esse vizinho, um velho piloto que tem um avião enferrujado. Ele lhe conta como encontrou o Pequeno Príncipe no deserto. Volta a voar com a menina. E ela, que acha que o Pequeno Príncipe ficou na Terra e cresceu, parte à procura dele.

A sacada de Osborne foi perceber quanto a história de Saint-Exupéry é íntima e frágil. Para dar-lhe sustentação, ele a inscreveu numa história maior, que desenvolveu segundo duas técnicas diferentes. “A parte da menina fizemos utilizando computação gráfica de última geração. Para a do Príncipe, usamos a stop motion, em que pequenas figuras de papel são filmadas e animadas quadro a quadro. Dessa forma, conseguimos reproduzir o visual peculiar das ilustrações do livro.” No total, 250 pessoas trabalharam na animação. “Formamos realmente uma família. Foi muito bom termos criado a nossa estrutura”, diz o diretor.

Mais conteúdo sobre:
Anima MundiMark Osborne

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.