Acervo do MAM do Rio vai para o Arquivo Nacional

Até novembro, todos os 48 mil filmes da Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM) do Rio devem ir para o Arquivo Nacional, onde ficarão em regime de comodato. As primeiras 12 mil latas serão transferidas assim que os proprietários autorizarem. As restantes terão que esperar aconstrução de novos depósito climatizados. Toda a operação, orçada em cerca de R$ 3 milhões, será financiada pela prefeiturado Rio.O anúncio foi feito ontem em reunião do diretor do Arquivo Nacional, Jaime Antunes; do secretário Municipal das Culturas,Ricardo Macieira; da diretora do MAM, Maria Regina Nascimento Brito, e do presidente da Associação Brasileira de Cineastas,Murillo Salles, no auditório do Museu. A medida encerra o impasse criado há um mês, quando a diretoria do MAM anunciou queia fechar o depósito de matrizes de filmes por falta de condições para guardá-los em temperatura por volta de 15ºC e 35% deumidade relativa.Macieira anunciou ainda que a prefeitura pretende, a médio prazo, construir uma sala de exibição que funcionará comoCinemateca Carioca. ?Os filmes ficarão depositados no Arquivo Nacional e serão exibidos na Cinemateca, onde os pesquisadores também serãoatendidos?, explicou o secretário das Culturas. ?A manutenção do depósito, que também é cara, está em negociação. Pode ficarcom a Prefeitura, o Estado, a União ou ser dividida entre os três.? A Cinemateca do MAM existe há mais de 40 anos e guardafilmes de cineastas importantes como Roberto Faria e Luiz Carlos Barreto, e de produtoras históricas como Atlântida e Canal100. Há ainda filmes feitos para televisão, como a série Amaral Neto Repórter e institucionais, como os realizados para oExército Brasileiro e para o Departamento de Imprensa e Propaganda do Estado Novo. Quando o museu anunciou que nãopoderia mais guardar os negativos dos filmes, pensou-se em levá-los para a Cinemateca Brasileira, em São Paulo, numa medidade emergência, mas prevaleceu a decisão de não desmembrar o acervo e mantê-lo no Rio, para evitar o esvaziamento cultural dacidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.