Acervo de Glauber ganha status de interesse público

Gil concede status de interesse público e social ao acervo do cineasta Glauber Rocha, morto em 1981.Na última quarta-feira, decreto do presidente Lula havia reconhecido o arquivo, queestá guardado há 18 anos no Espaço Tempo Glauber, em Botafogo, zona sul da cidade. Gilberto Gil informou que o local foi comprado pelo Ministério da Cultura por R$ 400 mile cedido para a família do cineasta por 99 anos. E destacou a importância doreconhecimento da obra de Glauber Rocha, por considerar que ela tem valor universal: "Ele é um cineasta consagrado universalmente, com um papel extraordinário para aafirmação do cinema brasileiro". O secretário do Audiovisual, Orlando Senna, acrescentou que o acervo do cineasta foi osegundo arquivo privado a ganhar o status de interesse público - o primeiro foi o dojornalista Barbosa Lima Sobrinho. E que isso possibilitará melhores condições para o arquivo receber recursos: "O decreto faz com que o acervo, embora seja privado,passe a ter todos os direitos e benefícios de um arquivo público. Isso abrepossibilidades para parcerias com os setores públicos e privados."Já a mãe do cineasta, Lúcia Rocha, disse estar esperançosa na obtenção de verbas para aconservação do acervo. "Espero que possamos conseguir dinheiro para digitalizar oarquivo, que tem 80 mil itens, é quase todo em papel [com textos, cartas e matérias jornalísticas] e pode acabar apodrecendo". O acervo, informou, tem 20 filmes.Também foi anunciado hoje o lançamento do DVD com uma versão restaurada do filme Terra emTranse, realizado em 1967. O trabalho foi possível graças a investimento de R$ 3 milhõesda Petrobras e da Eletrobrás. Outro filme de Glauber Rocha, Deus e o Diabo na Terra do Sol, de 1964, já foi remasterizado e está prevista a restauração de maistrês obras do cineasta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.