Academia homenageia diretor de "A Pantera Cor-de-Rosa"

Há várias semanas, quando o presidente da Academia de Hollywood Frank Pierson telefonou para Blake Edwards para dar-lhe uma boa notícia, o cineasta o interrompeu e pediu que falasse primeiro com Julie - sua esposa, a atriz Julie Andrews. Edwards vai receber o prêmio especial por sua carreira de diretor, produtor e roteirista. Agora, com o Oscar conquistado em 1964 por Julie em Mary Poppins, brincou ele, o casal terá o par de troféus perfeito para apoiar os livros na estante.A Academia é conhecida por sua tendência em ignorar as comédias e os comediantes, como ocorreu com notáveis como Charles Chaplin, Harold Lloyd, Buster Keaton, Stan Laurel e Groucho Marx.A vasta filmografia de Edwards inclui muitas comédias como a longa série A Pantera Cor-de-Rosa, Um Convidado Bem Trapalhão, ambos com Peter Sellers, Anáguas a Bordo, com Cary Grant e Tony Curtis e Mulher Nota 10, com Bo Derek. Entre seus filmes mais sérios, destacam-se Vício Maldito, com Jack Lemon e Bonequinha de Luxo, com Audrey Hepburn.O cineasta de 81 anos, que continua escrevendo roteiros, vem de uma família de gente de cinema. É pai da atriz Jennifer Edwards. Seu avô foi diretor do Cinema mudo, J. Gordon Edwards, e seu pai, Jack Edwards, foi diretor teatral e gerente de produção de cinema.Blake visitava os filmes que seu pai produzia e ocasionalmente fazia algum papel. Depois, começou a escrever para o rádio e mais tarde passou para a televisão e logo foi para o cinema, como roteirista da Columbia Pictures. Demitido após um arroubo temperamental do presidente da companhia Harry Cohn, mudou para a Universal, onde dirigiu Anáguas a Bordo. Sobre Peter Sellers, o inspetor Clouseau dos filmes da série A Pantera Cor-de-Rosa, Blake comentou: "era um esquizofrênico declarado. Uma noite, despois de um dia em que tive problemas com uma cena, Peter me telefonou e me disse: Blake, eu sei como fazer a cena. Acabo de falar com Deus e ele me disse como fazê-la".Blake dirigiu sua mulher Julie Andrews em sete filmes, mas isso não ajudou a carreira de nenhum dos dois, a não ser por Vitor ou Vitória.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.