Luciana Prezia/Estadão
Luciana Prezia/Estadão

Academia Brasileira de Cinema define comissão para indicar candidato ao Oscar

Sem participação do governo federal, cineastas reuniram nomes importantes da indústria para escolher o representante brasileiro no principal prêmio do cinema mundial

Redação, O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2020 | 21h16

A Academia Brasileira de Cinema anunciou nesta quarta-feira, 12, os nove profissionais que vão escolher um filme brasileiro para indicar ao Oscar 2021 — entre eles, Rodrigo Teixeira e Lais Bodanzky (veja a lista completa abaixo). A cerimônia do Oscar será realizada no dia 25 de abril de 2021.

O longa será escolhido por profissionais do audiovisual indicados pela Academia Brasileira de Cinema, que este ano foi reconhecida oficialmente pela Academy of Motion Picture, Arts and Sciences (AMPAS), a instituição responsável pelo Oscar, como única entidade responsável pela seleção. Cada país indica um filme para concorrer, e as listas dos escolhidos são divulgadas posteriormente.

Até 2016, a seleção dos filmes nacionais para o Oscar era realizada pela Secretaria do Audiovisual, ligada ao Ministério da Cultura. Em 2017, a escolha passou a ser de responsabilidade da Academia Brasileira de Cinema, com o apoio da Secretaria do Audiovisual. Agora, para a edição de 2021, não há mais participação do governo federal.

Veja os selecionados para a comissão do Oscar 2021:

Membros titulares:

  • Afonso Beato - diretor de fotografia (membro da AMPAS)
  • Clelia Bessa - produtora
  • Lais Bodanzky - produtora e diretora (membro da AMPAS)
  • Leonardo Monteiro de Barros - produtor
  • Lula Carvalho - diretor de fotografia (membro da AMPAS)
  • Renata Magalhães - produtora
  • Rodrigo Teixeira - produtor (membro da AMPAS)
  • Roberto Berliner - produtor e diretor
  • Viviane Ferreira - diretora e roteirista

Membros suplentes:

  • Andre Ristum - diretor
  • Toni Venturi - diretor

"A Academia Brasileira de Cinema vem estreitando ano a ano a relação com a AMPAS", diz, em nota, o diretor presidente da Academia Brasileira de Cinema, Jorge Peregrino. "Hoje, como temos cerca de 50 brasileiros membros da academia americana, nossos laços estão mais fortalecidos e reafirmam a independência da Academia Brasileira."

A premiação tem novas regras para a elegibilidade dos concorrentes, por conta da pandemia. Mas o critério inicial permanece sendo que o filme deve ter tido sua estreia no país que o inscreve entre 1º de outubro de 2019 e 31 de dezembro de 2020. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.