AP Photo/John Carucci, File
AP Photo/John Carucci, File

Abusos sexuais de Harvey Weinstein eram permitidos por seu contrato

Produtor não tinha de arcar com punição por assédio desde que pagasse por eventuais danos jurídicos

O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2017 | 21h09

O produtor hollywoodiano Harvey Weinstein, que está envolvido em um escândalo nos últimos dias após a publicação de uma reportagem do jornal The New York Times, estava liberado por contrato para praticar abusos sexuais. 

O site americano TMZ obteve o contrato do produtor com sua empresa, a Weinstein Company, que rezava que ele poderia ser processado por assédio e não seria demitido, teria apenas de arcar com os custos de eventuais danos jurídicos.

Caso Weinstein "tratasse indevidamente alguma pessoa, violando do Código de Conduta da companhia", ele teria apenas de reembolsar a empresa se houvesse alguma condenação.

O contrato especificava ainda que Weinstein teria de pagar US$ 250 mil na primeira ocorrência, valor que subia progressivamente para US$ 500 mil, US$ 750 mil e US$ 1 milhão. 

Mais conteúdo sobre:
Harvey Weinstein

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.