ABC desiste de fazer com Mel Gibson série sobre Holocausto

A ABC noticiou que cancelou os planos de fazer uma minissérie sobre o Holocausto, projeto que a rede pretendia desenvolver com a produtora do ator e diretor norte-americano Mel Gibson, a Icon Productions. O cancelamento é anunciado dias após Gibson ter supostamente feito comentários anti-semitas quando detido por dirigir embriagado e em alta velocidade em Malibu, nos Estados Unidos."Já se passaram dois anos e ainda não vimos o primeiro rascunho ou roteiro, por isso decidimos não levar adiante o projeto com a Icon", justificou a ABC, através de uma breve declaração, o cancelamento da minissérie sobre o Holocausto. O porta-voz da emissora, Kevin Brockman, não quis comentar se a decisão foi motivada pelos comentários anti-semitas que Gibson pode ter dito.Enquanto isso, o porta-voz de Gibson, Alan Nierob, revelou ao site sobre show business da rede CBS norte-americana, que o ator já procurou tratamento para a sua batalha contra o álcool. "Mel entrou em um programa de reabilitação", disse ele. "Ele está tentando permanecer vivo", afirmou Nierob, sem especificar o nome da clínica onde o ator estaria internado.Nível de álcool e velocidade em dobroSegundo informou a polícia, o nível de álcool no sangue de Gibson no momento de sua detenção às 2h36 da última sexta-feira em Malibu, nos Estados Unidos, era de 0,12%, quando o limite legal é de 0,08%. Ele dirigia seu Lexus LS, onde foi encontrada uma garrafa de tequila, a mais de 140 quilômetros por hora, em um local onde o limite de velocidade era de 72 quilômetros por hora. O ator, que foi liberado da prisão depois de pagar multa de US$ 5 mil, emitiu um longo comunicado no sábado pedindo desculpas por ter dito coisas horríveis ao delegado quando foi preso. "Eu agi como uma pessoa completamente fora do controle, disse coisas que não acredito que sejam verdadeiras, coisas desprezíveis".Os comentáriosO site de entretenimento TMZ postou os comentários anti-semitas feitos supostamente por Gibson quando foi preso. De acordo com o site, o ator teria dito: "Os judeus são responsáveis por todas as guerras que já aconteceram no mundo" e então teria perguntado para o policial James Mee "você é judeu?". O policial James Mee, que prendeu Gibson, disse à AP que considerava sua prisão um ato rotineiro, e que não levaria quaisquer comentários feitos pelo ator à sério. Mee disse que não se sentia bem em relação ao dano causado à imagem do ator, mas que esperava que Gibson pensasse duas vezes antes de beber e dirigir. "Eu não desejo arruinar sua carreira", disse Mee.A Liga dos EUA Contra a Difamação considerou, no entanto, o pedido insuficiente, e quer que Gibson seja gravemente punido. "Parece que a combinação de alguns drinks e a prisão revelou seu verdadeiro caráter", declarou Abraham H. Foxman, diretor da entidade. BiografiaGibson que é ator e diretor de cinema, ganhou um Oscar por Coração Valente (1995). O último filme que dirigiu foi o polêmico A Paixão do Cristo (2004), que causou polêmica entre os judeus, que protestaram contra a versão da morte de Cristo proposta pelo filme, ao colocar a culpa pela crucificação de Cristo nos judeus e não nos romanos, incentivando um sentimento anti-semita. Conceitos revistos pelo Concílio do Vaticano, em 1965. Gibson, que pratica uma forma tradicionalista do catolicismo romano, não reconhece as reformas feitas na década de 60.Atualmente, Gibson conclui as filmagens de Apocalypto, produção que é rodada em dialeto maio e que deve ser lançada em dezembro. O ator estrelou filmes como Máquina Mortífera, Mad Max, Do que as Mulheres Gostam e Homem Sem Rosto, entre outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.