Bruno Machado
Bruno Machado

'A Vida Invisível', de Karim Aïnouz, vai representar o Brasil no Oscar 2020

Em coletiva na Cinemateca Brasileira, longa anunciado será candidato à vaga entre cinco indicados de melhor filme estrangeiro na premiação de Hollywood

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2019 | 12h27

O filme A Vida Invisível, de Karim Aïnouz, foi escolhido para concorrer à vaga entre os cinco indicados de melhor filme estrangeiro no Oscar 2020. O anúncio foi feito pela Academia Brasileira de Cinema nesta terça, 27, durante uma coletiva de imprensa na Cinemateca Brasileira.

Votaram Anna Muylaert, Amir Labaki, Sara Silveira, David Shurmann, Ilda Santiago, Mikael de Albuquerque, Vania Catani, Walter Carvalho e Zelito Viana. "Foi uma disputa acirrada", disse Anna, que presidiu a comissão. "Todos os jurados fizeram a lição de casa e chegaram aqui com o voto definido." A votação durou cerca de 1h40.

A escolha foi comemorada pela equipe do filme. "Isso demonstra que a cultura cinematográfica brasileira, num momento como esse, nos  credencia como artistas e cidadãos. Karim merece", ressaltou a atriz Fernanda Montenegro.

Os cinco concorrentes a filme estrangeiro serão conhecidos em 13 de janeiro de 2020, quando a Academia divulga a lista completa. E a cerimônia do Oscar será no dia 9 de fevereiro, em Los Angeles.

Outras 11 produções participaram da seleção: A Última Abolição, de Alice Gomes, A Voz do Silêncio, de André Ristum, Bacurau, de Kleber Mendonça FilhoBio, de Carlos Gerbase, Chorar de Rir, de Toniko Melo, Espero tua (Re)volta, de Eliza Capai, Humberto Mauro, de André Di Mauro, Legalidade, de Zeca Brito, Los Silencios, de Beatriz Seigner, Simonal, de Leonardo Domingues e Sócrates, de Alex Moratto.

No filme de Aïnouz, Eurídice é uma jovem talentosa, mas bastante introvertida. Guida é sua irmã mais velha, e o oposto de seu temperamento em relação ao convívio social. Ambas vivem em um rígido regime patriarcal, o que faz com que trilhem caminhos distintos: Guida decide fugir de casa com o namorado, enquanto Eurídice se esforça para se tornar uma musicista, ao mesmo tempo em que precisa lidar com as responsabilidades da vida adulta e um casamento sem amor.

O filme dirigido por Karim Aïnouz terá première nesta sexta-feira, 30, no Cine Ceará. O diretor cearense será ainda homenageado no festival com o troféu Eusélio Oliveira. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.