A vez do cinemão na internet

O cinemão chegou à internet, e desta vez longe da informalidade. Os cinco maiores estúdios de Hollywood lançaram hoje em conjunto um projeto para alugar seus filmes na rede, incluindo produções recentes. A iniciativa, batizada Movielink, permite que o internauta baixe os filmes em conexão de alta velocidade. É a tentativa da grande indústria de brecar a pirataria e o avanço de sites gratuitos de troca de arquivos digitais.A parceria que resultou no lançamento do Movielink foi firmada no ano passado, reunindo as gigantes do entretenimento Sony Pictures, Universal Studios, Paramount Pictures, Metro-Goldwyn-Mayer e Warner Bros. A proposta é inovadora por apresentar uma seleção de hits, e não apenas filmes de catálogo - que, em serviços como CinemaNow, já estavam disponíveis.O Movielink começa a funcionar oferecendo títulos entre US$ 1,99 e U$ 4,99, para arquivos de cerca de 500 Mb. Dispondo de um programa adequado para exibição de imagens, a qualidade do filme na tela é similar à do vídeo.Como em VHS ou DVD, o usuário também pode interromper a sessão, adiantá-la ou reprisá-la. Uma vez alugado, o filme fica disponível no computador por 24 horas, e não há limite para o número de sessões. O arquivo baixado traz também um código protetor que impede sua exibição em outro computador. Em seus primeiros 90 dias, o serviço vai funcionar em caráter de teste, e só nos Estados Unidos (http://www.movielink.com).De início, o Movielink terá 170 filmes em catálogo, entre eles sucessos recentes como Harry Potter e a Pedra Filosofal e clássicos como Barbarella. Os novos filmes que engrossarão o catálogo devem chegar cerca de seis semanas após seu lançamento em DVD.A iniciativa dos estúdios será agora acompanhada de perto, uma vez que é a primeira tentativa da grande indústria de domar o mundo digital e testar seu arsenal anti-pirataria. "Temos pesquisas segundo as quais entre um terço e um quarto dos internautas têm interesse em baixar filmes e não estão satisfeitos com os produtos piratas", explica o diretor do Movielink, Jim Ramo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.